October 25, 2017 / 3:27 PM / 3 months ago

Canadá mediou acordo com Airbus enquanto Bombardier negociava com chineses

MONTREAL/PARIS (Reuters) - O governo canadense encorajou a Bombardier a fazer um acordo com a Airbus para seus aviões CSeries para frustrar um possível acordo com chineses, segundo cinco pessoas familiarizadas com o assunto.

Ottawa sinalizou preferência pelo Airbus após a Bombardier não conseguir chegar a um acordo com a Boeing para participação nos aviões CSeries, de acordo com as fontes. O papel do governo canadense não era conhecido até agora.

O governo do primeiro-ministro Justin Trudeau assumiu um risco calculado ao direcionar a Bombardier para a Airbus, de acordo com as fontes. O acordo ajudou a salvar o programa CSeries de 6 bilhões de dólares da Bombardier e provavelmente resolveu uma disputa comercial com os Estados Unidos.

A empresa canadense considerou uma parceria chinesa já em 2015, depois que as conversações sobre uma possível fusão com a Airbus se tornaram públicas e foram encerradas. Este ano, à medida que as negociações com a Boeing sobre uma parceria para o CSeries esfriou e as preocupações com o futuro do programa crescendo, o interesse da Bombardier num acordo com a China se intensificou, disseram duas fontes.

A perspectiva de acordo com a China preocupou o governo canadense, que acreditava que empregos ou tecnologia poderiam migrar para a China. Ottawa também expressou desconforto sobre o que alguns viram como insuficientes medidas chinesas contra o roubo de propriedade intelectual.

Numa série de ligações para a empresa em agosto e setembro, o ministro da Inovação, Navdeep Bains, e o ministro do Comércio, Francois-Philippe Champagne, bem como funcionários do gabinete de Trudeau, pediram à Bombardier que entrasse em contato com a Airbus, disseram as duas fontes.

“Para o governo federal, qualquer coisa é melhor do que uma ligação com a China”, de acordo com fonte, dizendo que o governo sugeriu à Bombardier que o presidente-executivo, Alain Bellmare, conversasse com o CEO da Airbus, Tom Enders.

Ottawa está pressionada para ter vínculos econômicos mais próximos com Pequim. Preocupado com as ameaças de Washington de eliminar o acordo comercial do Nafta, o Canadá quer reforçar as relações com a China, a fim de reduzir sua forte dependência das exportações para os EUA. Ottawa e Pequim seguem conversando.

Por Allison Lampert e Tim Hepher

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below