26 de Outubro de 2017 / às 18:28 / em um mês

Santander prevê crescimento acima de 10% do crédito brasileiro em 2018

SÃO PAULO (Reuters) - A normalização da atividade econômica do país permite que a demanda por crédito no país retome o padrão histórico de expansão de dois dígitos, disse nesta quinta-feira o presidente-executivo do Santander Brasil, Sergio Rial.

“É perfeitamente possível que o crescimento volte a dois dígitos”, disse Rial a jornalistas, ao comentar os resultados do terceiro trimestre do maior banco estrangeiro no país.

A previsão vem após o Santander ter anunciado na véspera que a aceleração das operações de crédito para pessoas físicas o ajudaram a registrar um salto de 37,3 por cento do lucro recorrente no terceiro trimestre sobre um ano antes.

A carteira ampliada de empréstimos do Santander Brasil cresceu 8,2 por cento em 12 meses até setembro, ritmo bastante superior à média do mercado. Segundo o Banco Central, o estoque de crédito do sistema caiu 2,2 por cento em 12 meses até agosto.

Segundo Rial, o movimento reflete uma decisão consciente do Santander Brasil de ganhar fatias de mercado no crédito, embora de forma disciplinada, com foco em segmentos de menor risco, como consignado e imobiliário.

O executivo previu que o índice de inadimplência acima de 90 dias do banco no final do ano ficará ao redor do nível do terceiro trimestre, de 2,9 por cento.

A expansão do volume de crédito pode ajudar o banco a compensar pressões maiores sobre o spread (diferença entre o custo de captação e o valor cobrado nos empréstimos a clientes) dado o ciclo de queda da Selic, que na quarta-feira foi reduzida para 7,5 por cento ao ano, aproximando-se do piso histórico.

“É intuitivo imaginar que a queda da Selic pode provocar maiores pressões sobre os spreads”, disse Rial.

Com a combinação de aceleração do crédito e das receitas com serviços, com destaque para cartões e gestão de recursos, a unidade brasileira do banco espanhol espera seguir reduzindo a diferença de rentabilidade em relação aos maiores rivais privados.

O Santander Brasil teve no terceiro trimestre uma rentabilidade sobre o patrimônio líquido de 17,1 por cento, a mais alta desde o IPO do banco, em 2009. O índice do Bradesco foi de 18,2 por cento no segundo trimestre, enquanto o do Itaú Unibanco atingiu 21,5 por cento.

“Estamos no caminho certo para ter rentabilidade similar a dos nossos concorrentes”, disse Rial.

Analistas receberam os resultados do banco com elogios.

“Reconhecemos que a diretoria está fazendo um grande trabalho para elevar a rentabilidade e ganhar participação de mercado”, comentaram os analistas do Itaú BBA Thiago Bovolenta Batista e Alexandre Spada.

No entanto, após a forte valorização em 2017, as units banco eram alvo nesta quinta-feira de um movimento de realização de lucro por parte dos investidores. Às 16h20, as units do Santander Brasil recuavam 2,95 por cento, enquanto o Ibovespa caía 0,73 por cento.

Edição Alberto Alerigi Jr. e Raquel Stenzel

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below