30 de Outubro de 2017 / às 13:21 / em 22 dias

Brasil tem déficit primário de R$21,259 bi em setembro, diz BC, menor que o esperado

BRASÍLIA (Reuters) - O setor público consolidado brasileiro registrou déficit primário de 21,259 bilhões de reais em setembro, menor que o esperado e ajudado pelo desempenho de governos regionais, divulgou o Banco Central nesta segunda-feira.

Logo do Banco Central na sede da instituição, em Brasília 15/01/2014 REUTERS/Ueslei Marcelino

Em pesquisa Reuters, a expectativa para setembro era de rombo primário de 23,25 bilhões de reais.

O governo central (governo federal, BC e Previdência) teve déficit primário de 22,227 bilhões de reais no mês.

Por sua vez, governos regionais (Estados e municípios) e empresas estatais ficaram no azul em 776 milhões de reais e 191 milhões de reais, respectivamente. Nos nove primeiros meses do ano, o déficit foi a 82,110 bilhões de reais, um pouco abaixo do saldo negativo em 85,501 bilhões de reais de igual período do ano passado.

A melhoria advém principalmente de superávit mais alto cravado por governos regionais, de 17,619 bilhões de reais, contra 10,015 bilhões de reais um ano antes. Já o governo central piorou suas contas no período, com rombo de 100,875 bilhões de reais de janeiro a setembro, sobre déficit de 94,476 bilhões de reais em igual etapa de 2016.

Em 12 meses, o déficit primário do setor público consolidado é de 152,399 bilhões de reais, equivalente a 2,35 por cento do Produto Interno Bruto (PIB). Para o ano, a meta para o setor público é de um rombo de 163,1 bilhões de reais, que inclui déficit de 159 bilhões de reais do governo central, de 3 bilhões de estatais federais e de 1,1 bilhão de reais de Estados e municípios. Este será o quarto resultado seguido no vermelho do país. Em setembro, a dívida líquida foi a 50,9 por cento do PIB, ante estimativa de analistas de 50,8 por cento, e um patamar de 50,2 por cento em agosto. Já a dívida bruta subiu a 73,9 por cento do PIB em setembro, contra 73,7 por cento no mês anterior. O movimento se deu apesar do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) ter antecipado o pagamento de 33 bilhões de reais ao Tesouro Nacional, num movimento que diminuiu a dívida bruta.

Por Marcela Ayres

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below