1 de Novembro de 2017 / às 13:24 / em 20 dias

Ibovespa sobe com menor aversão a risco no exterior; Vale é destaque positivo

SÃO PAULO (Reuters) - O principal índice da bolsa paulista operava no azul nesta quarta-feira, com o cenário externo de menos aversão a ativos de risco ajudando na tentativa por recuperação do índice após duas quedas seguidas, em sessão que tinha as ações da Vale entre as principais influências positivas.

Às 11:19, o Ibovespa subia 0,44 por cento, a 74.637 pontos. O giro financeiro era de 1,65 bilhão de reais.

Apesar do tom positivo, ainda persistia alguma cautela diante das incertezas políticas locais, conforme investidores aguardam uma indicação sobre o andamento da agenda de reformas do governo, principalmente a da Previdência.

No exterior, o mercado aguarda a decisão do Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, nesta tarde. A expectativa predominante é que os juros norte-americanos sejam mantidos e que o comunicado possa trazer alguma indicação sobre o rumo da política monetária no país.

Além disso, o presidente Donald Trump deve anunciar na quinta-feira quem substituirá Janet Yellen no comando do banco central, o que também pode trazer ajustes às apostas sobre futuras elevações de juros nos EUA.

DESTAQUES

- BRADESCO PN recuava 1,7 por cento, após reportar os números do terceiro trimestre que, segundo a equipe do BTG Pactual, apesar de mostrarem boa qualidade de ativos foi um pouco decepcionaste no lado da receita. Mais cedo, o Bradesco informou que teve lucro líquido ajustado de 4,81 bilhões de reais no período, avanço sequencial de 2,3 por cento e de 7,8 por cento na comparação ano a ano. A despesa com provisões para perdas com inadimplência caiu 23,1 por cento e 33,4 por cento nas comparações trimestral e anual, respectivamente, a 3,82 bilhões de reais.

- VALE ON tinha alta de 2,71 por cento, em dia de ganho para os contratos futuros do minério de ferro na China e buscando uma recuperação após acumular queda de mais de 5 por cento nos cinco pregões anteriores.

- EDP BRASIL avançava 2,92 por cento, com investidores reagindo aos números do terceiro trimestre que mostraram lucro líquido de 140,1 milhões de reais e lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação (Ebitda) de 551,5 milhões de reais. Segundo analistas do Credit Suisse, os resultados foram bons e outro desempenho positivo da área de comercialização e a melhora na inadimplência ajudaram os resultados consolidados, assim como o desempenho da usina de Pecém.

- PETROBRAS PN subia 1,25 por cento e PETROBRAS ON ganhava 1,21 por cento, em linha com o movimento dos preços do petróleo no mercado internacional.

- ELETROBRAS ON caía 5,35 por cento e ELETROBRAS PNB perdia 4,18 por cento, tendo como pano de fundo a informação de que o governo federal deve optar por um projeto de lei para viabilizar a privatização da estatal elétrica, ao invés de uma medida provisória, conforme previsto anteriormente.

Por Flavia Bohone

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below