8 de Novembro de 2017 / às 18:36 / 13 dias atrás

EUA devem exportar grande volume de etanol ao Brasil em 2018 apesar de taxa, diz Platts

SÃO PAULO (Reuters) - Os Estados Unidos deverão exportar um grande volume de etanol para o Brasil em 2018 apesar da taxa de importação de 20 por cento implementada pelo governo brasileiro para compras além de uma cota, disse uma analista da Platts Kingsman nesta quarta-feira.

Funcionário segura bomba de combustível em posto de abastecimento em São Paulo 8/11/2016 REUTERS/Paulo Whitaker

A Platts estima que os EUA embarcarão cerca de 1,7 bilhão de litros de etanol para o Brasil em 2018, ante 1,8 bilhão de litros projetados para este ano.

“O Brasil continuará a ser um importador líquido de etanol no próximo ano, a níveis similares ao deste, uma vez que a produção segue estagnada”, disse a analista de biocombustíveis da S&P Global Platts, Beatriz Pupo, durante uma apresentação em São Paulo.

Uma parte do volume estimado deve vir livre de tarifas, uma vez que o governo brasileiro estabeleceu que somente importações acima de 150 milhões de litros por trimestre (ou 600 milhões de litros ano) têm incidência de tarifa.

Os EUA devem aumentar sua participação no mercado de etanol da região Norte/Nordeste do Brasil para cerca de 40 por cento em 2018, ante 30 por cento em 2017, disse ela.

Todas as exportações de etanol dos EUA vão para aquela região, onde a produção local não é suficiente para atender a demanda.

Beatriz disse que as usinas do centro-sul do Brasil não serão capazes de suprir o Norte/Nordeste, já que não há aumento na capacidade de produção e o consumo na parte central do país tem aumentado graças a uma vantagem competitiva do álcool ante a gasolina.

As importações projetadas representam um grande aumento se comparadas às de anos recentes. O Brasil comprou apenas 400 milhões de litros de etanol dos EUA em 2014 e 1 bilhão de litros em 2016, segundo a Platts.

Beatriz afirmou que as vendas de etanol continuam a dar melhores retornos que o açúcar para as usinas brasileiras, considerando-se os preços locais para o biocombustível e os futuros do açúcar bruto na Bolsa de Nova York.

Isso deve fazer com que as usinas direcionem maior parcela de cana para a produção de etanol no próximo ano. O mix em favor do álcool deve ir para 53,7 por cento da oferta total de matéria-prima, frente 52,4 por cento atualmente --consequentemente, a fabricação de açúcar diminuirá.

Mas, para além do Brasil, a analista não viu muitos sinais encorajadores em outras partes do mundo para os produtores de etanol nos Estados Unidos.

     Ela disse que o México ainda não está pronto para aumentar o uso de etanol e que a China não avançou no plano de elevar a mistura de 10 para 20 por cento na gasolina.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below