16 de Novembro de 2017 / às 12:34 / em um mês

Economistas melhoram contas para déficit primário em 2017, mas pioram para 2018, aponta Prisma

BRASÍLIA (Reuters) - Os economistas passaram a ver um déficit primário menor neste ano ao mesmo tempo em que pioraram suas perspectivas para o ano que vem, segundo relatório Prisma Fiscal de novembro divulgado nesta quinta-feira pelo Ministério da Fazenda.

Imagem ilustrativa de moedas de real 15/10/2015 REUTERS/Bruno Domingos

Pela mediana dos dados coletados, a expectativa agora é de um rombo primário de 157,414 bilhões de reais para o governo central (Tesouro, Banco Central e Previdência) em 2017, menor que o patamar de 158,431 bilhões de reais do relatório de outubro e dentro da meta de um déficit de 159 bilhões de reais para o ano.

O ajuste vem após a realização de leilões de petróleo e hidrelétricas em setembro, com os quais o governo conseguiu levantar 4,5 bilhões de reais acima do esperado, segundo o Tesouro Nacional.

Na próxima semana, o governo divulgará seu relatório bimestral de receitas e despesas e a expectativa é de descontingenciamento de recursos para dar algum oxigênio à máquina pública com o ano caminhando para o fim.

Para 2018, no entanto, o mercado passou a ver um déficit primário mais alto, de 156,406 bilhões de reais ante 155,613 bilhões de reais anteriormente, mas ainda dentro da meta que também é de um rombo primário de 159 bilhões de reais.

No fim de outubro, o governo enviou ao Congresso Nacional uma série de medidas para garantir o cumprimento do alvo fiscal no ano que vem. No pacote, estão o adiamento do reajuste salarial do funcionalismo público, o aumento da contribuição previdenciária para os servidores e a mudança na tributação para fundos de investimento fechados --todas medidas impopulares ou que enfrentam forte lobby no Congresso, cujo calendário também é bastante apertado.

Para a trajetória da dívida bruta, os economistas melhoraram suas estimativas para 2017 a 75,11 por cento do Produto Interno Bruto (PIB), ante 75,44 por cento na pesquisa de outubro. Já para 2018, a projeção diminuiu a 77,00 por cento do PIB, contra 77,80 por cento no mês anterior.

Por Marcela Ayres

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below