December 21, 2017 / 11:12 PM / 8 months ago

Bitcoins ganham espaço na compra de imóveis de alto padrão no país

SÃO PAULO (Reuters) - O bitcoin começa a ser aceito por construtoras de imóveis residenciais de alto padrão do país, que apostam no uso da moeda digital para diversificar opções financeiras e usar a crescente popularidade da criptomoeda como forma de promoção da imagem de inovação.

A mineira Katz Construções anunciou nesta quinta-feira que passou a aceitar bitcoin como pagamento em todo seu portfólio de imóveis já lançados e futuros, apesar do custo da transação com a moeda ser maior que o realizado em reais, afirmou o presidente da companhia, Daniel Katz.

“Na verdade, o custo (da venda com bitcoin) é um pouco maior, porque vou pagar 1 por cento de comissão para transformar em real...Mas é uma diversificação de ativos pois vamos manter parte do lucro da venda em bitcoins”, disse o executivo, filho do fundador da empresa fundada em 1975.

O bitcoin é a criptomoeda mais usada no mundo. A moeda acumula valorização de cerca de 1.500 por cento neste ano, mas não sem passar por forte volatilidade como a ocorrida na quarta-feira, quando perdeu quase 20 por cento do valor em relação à máxima atingida três dias antes, de 19.666 dólares.

Na semana passada, o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, fez um novo alerta para o risco de bolha no mercado de moedas digitais e chegou a classificá-las como “pirâmide” e passíveis de serem usadas em crimes.

A Katz, que tem uma carteira de 50 milhões de reais em imóveis, não é a única a aceitar bitcoins como pagamento. A rival de maior porte Tecnisa começou a vender apartamentos por meio de bitcoins em 2014, mas só nesta semana conseguiu as duas primeiras vendas, em meio ao que chamou de “crescimento exponencial” no volume de consultas de interessados em fazer negócio com a moeda no mês passado.

“Quando lançamos essa opção tivemos muita procura, mas pouco negócios porque o valor da moeda estava baixo e não tinha tanta liquidez. Agora, com a valorização que teve, elevou a liquidez”, disse Romeo Busarello, diretor de marketing da Tecnisa.

“Quem estava com bitcoin há algum tempo, está realizando esse ganho transformando em apartamento”, disse o executivo.

Os imóveis vendidos com bitcoin pela Tecnisa, que afirma ser a primeira construtora listada em bolsa do mundo a aceitar a moeda digital, foram um apartamento na cidade de São Paulo e um outro em Jundiaí, no interior paulista.

Katz afirmou que a empresa decidiu aceitar bitcoin mesmo sem uma demanda específica de clientes, mas apostando no potencial de valorização da criptomoeda e na atração de investidores internacionais com interesse em empreendimentos como um condomínio de luxo lançado por sua construtora no sul da Bahia.

“Hoje, com juro a 7 por cento, estamos em um dos melhores momentos para se comprar imóvel. E o investidor que comprou bitcoin a 80 dólares tem oportunidade de ganho gigantesco que poderá transferir para o mercado imobiliário”, disse Katz.

Ele acrescentou que a Katz, que cobra preço médio de 700 mil a 1 milhão de reais por apartamento, vai ingressar no mercado paulistano em 2018, com um edifício residencial a ser lançado no bairro classe média alta de Moema e que também poderá ser adquirido com bitcoins.

Na Tecnisa, os novos negócios com bitcoins envolvem outros 11 imóveis que estão sendo negociados com 10 clientes, dos quais metade estão em fase avançada de conclusão e o restante deve ficar para 2018, disse Busarello. A Tecnisa tem 25 mil imóveis em estoque, formando uma carteira de 1 bilhão de reais.

“Ninguém arrisca o valor das criptomoedas no futuro, mas elas vieram para ficar”, disse o executivo da Tecnisa. “Não temos ambição nenhuma de transformar bitcoin em nossa principal forma de negócio, mas aceitar a moeda viraliza, dá ‘buzz’ (notoriedade).”

Diferente da Katz, e por ser empresa listada em bolsa, a Tecnisa precisa converter todas as bitcoins que recebe em reais antes de concluir a operação, trabalhando com a corretora brasileira Bitfox. “Nunca tivemos intenção de transformar a bitcoin em vantagem competitiva”, afirmou o executivo.

Segundo ele, a Tecnisa paga um “ágio” de 5 por cento ao comprador de imóveis da empresa que usem bitcoins e está pensando e elevar este percentual para 2018 “para vender mais”.

Por Alberto Alerigi Jr.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below