February 9, 2018 / 6:25 PM / 4 months ago

EXCLUSIVO-Amazon negocia galpão para ampliar negócios no Brasil, transfere logística para Cajamar, dizem fontes

SÃO PAULO (Reuters) - O grupo norte-americano de varejo online Amazon.com está transferindo as operações logísticas no Brasil para o complexo de galpões da Prologis no município de Cajamar (SP), a 50 quilômetros da capital paulista, que já abriga outras gigantes como Walmart e Samsung, informaram à Reuters fontes com conhecimento do assunto.

Visão geral do armazém da operadora logística Luft, que será usado pela Amazon.com Inc em Cajamar II, 2/02 /2018. REUTERS/Gabriela Mello

A varejista, que desembarcou no país em 2012, negocia principalmente livros físicos e digitais em sua loja virtual no Brasil, mas há tempos avalia expandir os negócios no país e já teria escolhido o complexo da Prologis em Cajamar para desengavetar o projeto.

A Amazon se registrou em 4 de outubro do ano passado junto à Prefeitura de Cajamar para exercer atividade econômica na região, conforme documento visto pela Reuters, no qual cita o ramo de comércio varejista especializado e capital social de cerca de 257,9 milhões de reais.

O endereço indicado pela companhia no cadastro municipal está situado dentro do Prologis Cajamar II, um moderno complexo de galpões com cerca de 316 mil metros quadrados construído em 2014, que tem entre os locatários a Luft, atual operadora logística da Amazon em livros, além de multinacionais como Walmart e UPS.

Os serviços atualmente são prestados para a Amazon em um espaço de 12 mil metros dentro do galpão Moriano, em Barueri (SP), mas a Luft propôs à gigante norte-americana migrar para o Prologis Cajamar II mediante uma redução do custo logístico.

“Perdemos um cliente aqui e essa área ficou disponível, então fizemos a conta e preferimos trazer a Amazon para aqui dentro do Cajamar”, contou à Reuters um gerente de operações da Luft que pediu para não ser identificado, acrescentando que a mudança estava prevista para o mês de fevereiro.

O movimento ocorre ao mesmo tempo em que a varejista negocia a locação de uma área de pelo menos 50 mil metros quadrados no parque logístico vizinho, o Prologis Cajamar III, onde já estão Samsung, DHL e DiCico, de acordo com fontes.

Procuradas, a Amazon informou que “não comenta especulações ou rumores”, enquanto a Prologis disse que não se manifestaria sobre o assunto.

A Reuters visitou o complexo de Cajamar III, que tem cerca de 485 mil metros quadrados e foi construído em 2016. Cercado por uma área verde, o parque adota procedimentos de segurança rigorosos, tendo acesso restrito a motoristas autorizados, câmeras por toda parte e sistemas com leitura digital para os funcionários. Caminhões carregados com mercadorias formavam filas ao lados de coqueiros na entrada do Prologis Cajamar III, enquanto ônibus fretados traziam funcionários das empresas ali instaladas para o expediente.

Fontes no local confirmaram que representantes da Amazon estiveram no complexo, mas não souberam dizer se o contrato já tinha sido fechado, uma vez que as obras de adaptação ainda não haviam começado.

Em um sinal preliminar da possível investida da varejista norte-americana em infraestrutura logística, a empresa publicou no LinkedIn no ano passado mais de uma dúzia de vagas de emprego em distribuição no país, incluindo “gerente de centro de distribuição”.

Se materializado o acordo no Brasil, a parceria entre a Amazon e a Prologis não será inédita. Em meados de setembro, a Reuters noticiou que a Prologis se encarregaria da construção de um novo armazém da Amazon com pouco mais de 90 mil metros quadrados no município de Tepotzotlán, no México, a cerca de 40 quilômetros da capital mexicana.

RIVAIS NO BRASIL

Os esforços da Amazon para ampliar sua presença no mercado brasileiro ocorrem num momento em que a economia começa a dar os primeiros sinais de retomada após a mais profunda recessão em décadas, enquanto cresce a disputa entre as varejistas locais e internacionais.

Magazine Luiza, B2W e Via Varejo estão entre os participantes do altamente competitivo comércio eletrônico brasileiro e se empenham para criar estruturas “omnichannel”, integrando lojas físicas e digitais para reduzirem custos e ganharem eficiência de vendas.

Em outubro passado, a Amazon iniciou a venda de produtos eletrônicos de terceiros para consumidores brasileiros em regime de marketplace, expandindo sua atuação no Brasil para além de livros.

Na época, o diretor da Amazon no país, Alex Szapiro, não quis informar se havia planos para venda própria de produtos ou lançar o chamado Fulfillment by Amazon (FBA) no Brasil, abrindo um centro de distribuição para despachar itens de terceiros com mais eficiência, como fez simultaneamente ao lançamento de vendedores independentes no México há dois anos.

Rivais em marketplaces como o grupo latino-americano Mercado Livre já se movimentam para desenvolver sua própria infraestrutura logística e ampliar sua fatia no varejo online brasileiro.

A expectativa da empresa de pesquisa de mercado especializada em comércio eletrônico brasileiro Ebit para o faturamento de vendas online no Brasil em 2017 era de crescimento de 10 por cento sobre 2016. Somente no primeiro semestre do ano passado, o e-commerce brasileiro movimentou 21 bilhões de reais, alta de 7,5 por cento na comparação anual, conforme a consultoria.

CAJAMAR

O mercado brasileiro de galpões industriais e logísticos no Brasil ainda não se recuperou da mais profunda recessão econômica em décadas, mas empreendimentos em algumas regiões próximas a São Paulo, incluindo o município de Cajamar, foram bastante demandados em 2017, mostrou levantamento da consultoria imobiliária NAI Brazil.

“Cajamar sempre foi conhecida como a Faria Lima dos galpões... tem vocação para grandes locações, boa parte dos inquilinos alugam acima de 15 mil metros quadrados”, comentou Abiner Oliveira, diretor de serviços industriais e logísticos da NAI Brazil.

Segundo ele, a região sofreu com a devolução de espaços por inquilinos nos últimos 18 meses, mas já no fim do ano passado registrou quase 100 mil metros quadrados movimentados. “Com certeza Cajamar terá posição de destaque em 2018”, afirmou o Oliveira.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below