April 25, 2018 / 7:43 PM / 8 months ago

Credit Suisse tem melhor trimestre desde lançamento de plano de reestruturação

ZURIQUE (Reuters) - O Credit Suisse, segundo maior banco suíço, reportou nesta quarta-feira seu melhor resultado trimestral desde que o presidente-executivo, Tidjane Thiam, lançou seu plano de reestruturação em 2016, impulsionado pelo negócio de gestão de fortunas.

REUTERS/Arnd Wiegmann

Após prejuízo de 6,6 bilhões de francos suíços (6,7 bilhões de dólares) em 2015 e 2016 e uma grande baixa contábil que eliminou ganhos no ano passado, o Credit Suisse reportou 694 milhões de francos de lucro líquido no primeiro trimestre, superando as expectativas.

O resultado mostrou que o banco está ganhando com o plano de três anos de Thiam, de voltar as atenções para gestão de fortunas em vez de banco de investimento e acordos em casos legais.

A entrada líquida de dinheiro novo - um indicador acompanhado de perto para lucros futuros em gestão de fortunas - somou 14,4 bilhões de francos em suas três divisões de gestão de riqueza, o maior patamar em sete anos.

“Com esse resultado do primeiro trimestre, nós tivemos um bom início em nosso terceiro e último ano de reestruturação e nós estamos olhando para o futuro com confiança em nosso modelo de negócios e nossas capacidades de execução”, disse Thiam em um comunicado.

As ações do banco subiram 3,55 por cento, a 16,78 francos. O papel ainda é negociado abaixo do patamar de quando Thiam assumiu o comando, mas tem se recuperado de maneira consistente dos 9,4 francos de meados de 2016.

“As expectativas de mercado não são particularmente exigentes e, em nossa visão, serão revisadas cada vez que o banco provar colher frutos de todas as medidas de auto-ajuda”, disse o analista da Baader Helvea, Tomasz Grzelak, em um comunicado.

Os ganhos no negócio central do Credit Suisse vieram em meio a um aumento na volatilidade do mercado e uma desaceleração em acordos corporativos.

Thiam disse que a necessidade de recomendação aumentou sensivelmente entre seus clientes de private banking, que buscaram mais contato com seus gerentes de relacionamento conforme o banco ajudava famílias ricas a diversificar seus ativos.

Confirmando suas metas para 2018, a instituição destacou períodos de volatilidade em meio a incertezas geopolíticas, tensões de comércio global e aperto de política monetária.

As receitas do Credit Suisse caíram 8 por cento em sua divisão de bancos de investimento e mercado de capitais, mas o banco informou que tem uma forte fila de acordos prospectivos que permanecem “dependentes de condições construtivas de mercado”.

O lucro em sua divisão de operação de mercados globais, que tem sido o foco dos cortes de Thiam e a fonte de bilhões de dólares em prejuízo nos últimos anos, subiu para 295 milhões de francos. Thiam alertou para uma desaceleração nas receitas da divisão desde a forte queda nos mercados acionários, em meados de fevereiro.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below