April 30, 2018 / 1:49 PM / 5 months ago

Fed enfrenta novo desafio: um mundo sem "folga" no mercado de trabalho

WASHINGTON (Reuters) - Os negócios estão acontecendo tão rápido e os trabalhadores estão com demandas tão altas na AOW Associates, uma empresa de construção com sede em Albany, Nova York, que seu diretor financeiro contratou uma pessoa há seis semanas para uma vaga que não existia.

Funcionário da Boeing trabalham na área de montagem em Ladson, Estados Unidos 26/03/2018 REUTERS/Randall Hill

“Mantemos nossos anúncios de vaga para gerenciamento de projetos continuamente, mesmo se não quisermos preencher um posto de trabalho específico, e, se alguém aparecer, criaremos um trabalho para ele”, disse Nicki Armsby, vice-presidente financeiro da AOW, em uma entrevista recente.

A empresa não é a única na busca de formas criativas para lidar com a escassez de mão-de-obra nos EUA que pode estar piorando, de acordo com dados econômicos recentes e documentos do Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos.

As autoridades do Fed, que realiza sua mais recente reunião de política monetária nesta semana, devem agora decidir qual o peso a dar aos sinais de que a economia está chegando a um ponto em que salários, inflação e outros indicadores podem se elevar.

Os dados de sexta-feira mostraram que os custos de emprego nos EUA aumentaram no primeiro trimestre a uma taxa anual de 4 por cento, continuando o que os economistas do JPMorgan consideram uma marcha estável, já que a taxa de desemprego caiu abaixo de 5 por cento em 2015.

Os investidores parecem estar apostando nesse cenário. O rendimento dos Treasuries de 10 anos ultrapassou o nível de 3 por cento na semana passada pela primeira vez em mais de quatro anos.

E a escassez de mão-de-obra tem sido citada pelos analistas como responsável pelos crescentes atrasos de produtos manufaturados em relatórios recentes de gerenciamento de suprimentos.

Acrescente-se o estímulo fiscal da revisão tributária e gastos da administração Trump que estão atingindo a economia este ano, e os preços mais altos de alumínio, aço e potencialmente outros bens afetados por novas tarifas de importação, e o teor da próxima análise do Fed pode trazer mudança.

“A demanda ficou muito forte”, disse Tim Fiore, que lidera o comitê de pesquisa de empresas de manufatura do Institute of Supply Management. “Há muito para uma forte expansão... Aprofundar os detalhes e o lado do emprego tem claramente restringido a capacidade dos produtores de atender à demanda.”

Não se espera que o Fed aumente a taxa de juros na quarta-feira. Também não devem ser divulgadas atualizações de previsões econômicas e o presidente do Fed, Jerome Powell, não deve falar em coletiva de imprensa.

Por Howard Schneider e Ann Saphir

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below