July 26, 2018 / 8:14 PM / 2 months ago

Energisa viu riscos na Cepisa, mas diz avaliar outras distribuidoras da Eletrobras

SÃO PAULO (Reuters) - A Energisa, que controla nove distribuidoras de energia no Brasil, viu riscos no modelo de privatização da Cepisa, distribuidora da Eletrobras no Piauí vendida nesta quinta-feira, mas segue interessada em outras subsidiárias de distribuição que a estatal federal pretende vender, disse a empresa em nota.

Homem passa por torres de energia em Brasília, Brasil 31/08/2017 REUTERS/Ueslei Marcelino

O leilão da Cepisa foi vencido pela Equatorial Energia, única a apresentar proposta pela empresa, embora analistas do Itaú BBA apontassem na véspera que o certame poderia atrair também a Energisa, a italiana Enel e a Neoenergia, controlada pela espanhola Iberdrola.

Mas a Energisa afirmou em nota que a Cepisa possui um desequilíbrio financeiro “que exigirá elevados aportes de capital”, muitos passivos financeiros e judiciais e índices regulatórios distantes de metas definidas pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o que reduziu seu interesse.

Para a empresa, os riscos associados a essas condições não foram tratadas de forma equilibrada para garantir a sustentabilidade da aquisição.

“O grupo... tem como premissa a alocação prudente de capital, buscando geração de valor para acionistas e sustentabilidade do negócio no longo prazo”, escreveu a Energisa.

A elétrica, no entanto, disse que “tem estudado profundamente” os ativos de distribuição da Eletrobras e que “analisa cada oportunidade de forma individualizada”, continuando a avaliar as empresas que operam no Acre, Alagoas, Amazonas, Roraima e Rondônia.

As análises têm sido conduzidas por uma equipe de cerca de 120 pessoas na Energisa, incluindo consultores contratados, adicionou uma fonte do mercado, que falou sob a condição de anonimato.

Especialistas dizem, no entanto, que a venda das distribuidoras da Eletrobras na região Norte está associada à aprovação de um projeto de lei em tramitação no Senado, que soluciona passivos dessas empresas junto a fundos do setor elétrico.

A Energisa destacou, em nota, que “aguarda com expectativa a resolução das restrições que impedem a alienação das demais empresas designadas da Eletrobras, tais como a aprovação definitiva do projeto de lei no Senado Federal e impedimentos judiciais, como liminares.”

Em meio a uma busca por expansão, a Energisa chegou a apresentar em abril uma proposta pela aquisição da Eletropaulo, maior distribuidora do Brasil em faturamento, mas posteriormente a elétrica recebeu mais ofertas e acabou comprada pela italiana Enel.

Por Luciano Costa

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below