December 6, 2018 / 12:05 PM / 7 days ago

MRV não vê ruptura no Minha Casa Minha Vida, mas está criando startups para diversificar negócios

SÃO PAULO (Reuters) - A MRV não espera uma ruptura do programa habitacional Minha Casa Minha Vida (MCMV) no governo do presidente eleito Jair Bolsonaro, mas vem se empenhando para diversificar os negócios e desenvolver ferramentas para fomentar o mercado imobiliário, disse nesta quinta-feira o copresidente da maior construtora de imóveis econômicos do país, Rafael Menin.

Vista geral de complexo de prédios do programa Minha Casa Minha Vida em Olinda 7/10/ 2010. REUTERS/Bruno Domingos

“Modificar radicalmente um programa exitoso como MCMV só se o cara for louco… Pode mudar o nome, algum parâmetro talvez, mas a chance de ruptura é muito pequena e somos a empresa mais protegida do mercado caso haja mudanças”, afirmou Menin em encontro com investidores no empreendimento Gran Reserva Paulista.

O empreendimento é o maior já lançado pela MRV, com 7.300 unidades e Valor Geral de Vendas (VGV) de quase 2 bilhões de reais. E a construtora fechou recentemente contrato para lançar mais 11 mil unidades em localização próxima ao Gran Reserva, adiantou o também copresidente da empresa, Eduardo Fischer.

“Fechamos uma área para dar continuidade ao empreendimento”, contou o executivo, citando estágio avançado de licenciamento.

Entre as estratégias para complementar os negócios, a MRV está criando startups dentro do grupo para desenvolver novas soluções para o mercado imobiliário, incluindo consórcio de imóveis e locação. “O consórcio é um modelo pouco difundido… Temos uma startup dentro da companhia olhando para essa modalidade com parcela parecida à do MCMV”, contou Menin.

Outra startup interna é a Luggo, já em fase piloto, para aluguel de imóveis por meio de uma plataforma digital. “Nem todo mundo vai querer comprar um apartamento em cinco ou 10 anos”, acrescentou Menin, ressaltando que o modelo desenvolvido tem baixo consumo de capital. De acordo com ele, a ideia é colocar os empreendimentos em fundos imobiliários no mercado de capitais. “Podemos ter ganho de arbitragem e na gestão de ativos performados”, afirmou.

Os esforços para diversificação do negócio começaram no fim do ano passado, quando a MRV anunciou a retomada de projetos para médio padrão financiados por meio do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE). “A ideia é ter 25 por cento do VGV em SBPE nos próximos anos, o que mitiga riscos em grande escala”, contou Fischer.

A construtora espera encerrar 2018 com um crescimento de 25 por cento nos lançamentos de imóveis e de 20 por cento nas vendas em relação a 2017. “E tudo indica que vamos entrar em 2019 com o pé no acelerador”, disse Fischer.

Dentro do SBPE, o Santander Brasil está lançando em parceria com a MRV um piloto para concessão de financiamento imobiliário ainda na planta, uma modalidade operada atualmente apenas pela Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil.

“Seremos o primeiro banco privado a entrar nessa modalidade”, contou o diretor de produtos de crédito e recuperações, Cassio Schmitt, citando apetite para montar uma carteira de 500 milhões a 1 bilhão de reais no primeiro ano.

Por Gabriela Mello

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below