December 7, 2018 / 4:12 PM / 4 days ago

Cogeração de energia via biomassa de cana pode crescer 57% até 2030 com RenovaBio

SÃO PAULO (Reuters) - A cogeração de energia no Brasil a partir da biomassa de cana-de-açúcar tem potencial para crescer cerca de 57 por cento até 2030, na esteira do RenovaBio, política de biocombustíveis que promete impulsionar o setor sucroenergético do país, disse à Reuters o dirigente de uma associação da indústria.

Lavoura de cana-de-açúcar em Pradópolis, Brasil 13/09/2018 REUTERS/Paulo Whitaker

Atualmente, a capacidade instalada em usinas de cogeração movidas com cana é de 11,4 gigawatts, e mais 6,5 gigawatts poderiam ser adicionados nos próximos anos, projetou o presidente da Associação da Indústria de Cogeração de Energia (Cogen), Newton Duarte.

Segundo ele, tal incremento leva em conta, a partir da estrutura já existente, uma maior disponibilidade de biomassa e a geração via biometano.

No ano passado, das 367 usinas de cana no país, 209 comercializaram eletricidade para a rede, conforme levantamento da estatal Empresa de Pesquisa Energética (EPE).

“O grande potencial reside no RenovaBio”, frisou Duarte.

Sancionada no fim de 2017, a Política Nacional de Biocombustíveis ainda passa por regulamentação e se insere na agenda de redução de emissões de carbono assumida pelo Brasil no Acordo do Clima de Paris. Pelas estimativas do próprio governo, o programa pode gerar investimentos de 1,4 trilhão de reais até 2030.

A expectativa, portanto, é de que o RenovaBio reverta anos de crise no setor sucroenergético, contribuindo para um aumento da produção de cana e, consequentemente, da disponibilidade de biomassa.

INVESTIMENTOS INIBIDOS

Mesmo diante desse cenário, no entanto, Duarte avalia que problemas na regulamentação do setor elétrico têm inibido maiores investimentos em geração pelos agentes do setor de cana.

As queixas da Cogen estão relacionadas a uma disputa judicial no mercado de energia, em que operadores de hidrelétricas conseguiram liminares para evitar custos com o chamado risco hidrológico —que surgem quando as usinas geram abaixo do previsto por questões como o nível dos reservatórios.

Essas isenções têm deixado elevados valores em aberto em um acerto de contas mensal do mercado, o que impacta o faturamento de usinas que produziram mais energia do que venderam em contratos.

As centrais movidas à biomassa ficam entre as prejudicadas, uma vez que elas em geral têm capacidade de produzir acima de suas garantias físicas, que é o montante de energia que podem negociar no mercado, segundo Duarte.

Na última liquidação financeira da CCEE, em novembro, as operações contabilizadas envolveram 11,6 bilhões de reais, mas só foram arrecadados 3,8 bilhões de reais para pagar os agentes com créditos a receber no processamento.

“O que precisamos é de previsibilidade”, afirmou Duarte.

Para ele, o setor de cogeração poderia ter uma capacidade maior de entregar energia ao sistema elétrico se a garantia física das usinas de biomassa fosse elevada para refletir sua real capacidade de geração, aliviando distorções decorrentes da disputa judicial na CCEE, uma medida em análise no governo.

Maior grupo sucroenergético do mundo e com capacidade instalada de 1 gigawatt de cogeração, a Raízen Energia, joint venture entre Cosan e Shell, também vê empecilhos à expansão do potencial em meio à disputa judicial.

“Que pessoa vai investir sem ter garantia de que vai receber? Não receber por inadimplência de geradores hídricos não faz sentido... Esse imbróglio... faz a biomassa ser duplamente penalizada”, afirmou o responsável pela área de Energias Renováveis e Aquisições da Raízen Energia, Marcelo Couto.

POTENCIAL

Apesar do atual imbróglio regulatório, a Raízen se mantém “bastante otimista” com o potencial da cogeração de energia com biomassa de cana-de-açúcar e até com biogás, segundo Couto.

Ele disse que os investidores em usinas de biomassa poderiam dar uma resposta “muito rápida” a incentivos para expansão, enquanto o biogás tem um “tremendo potencial” de crescimento.

Outro caminho para viabilizar a expansão da cogeração, segundo ele, seria uma expansão do mercado livre de eletricidade, na qual geradores podem negociar contratos diretamente com grandes consumidores, como indústrias e centros comerciais.

Em agosto, a Raízen anunciou um joint venture com a Geo Energética para a construção de uma usina de energia a partir do biogás produzido com subprodutos da cana. O empreendimento, que deverá receber investimentos de 153 milhões de reais, será levantado em Guariba (SP), onde a companhia já opera uma usina com capacidade para moer 5 milhões de toneladas.

A Raízen possui 26 usinas no total— todas são autossuficientes em energia e 13 delas vendem excedentes da produção de eletricidade no mercado.

O gerente em Bioeletricidade da União da Indústria de Cana-de-açúcar (Unica), Zilmar de Souza, disse que as usinas à biomassa em geral ajudaram entre janeiro e novembro deste ano a poupar cerca de 17 por cento da energia armazenada nos reservatórios de hidrelétricas do Sudeste/Centro-Oeste.

“A geração de energia pela biomassa, não intermitente em época de estiagem, certamente contribuiu para a redução do custo final da operação do sistema para o consumidor”, defendeu ele.

As unidades abastecidas com biomassa de cana representam cerca de 80 por cento da capacidade de geração com biomassa.

Por José Roberto Gomes

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below