October 15, 2019 / 8:07 PM / a month ago

Ibovespa fecha em alta puxada por Petrobras com cessão onerosa; NY ajuda

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa fechou em alta nesta terça-feira, puxada pelas ações da Petrobras, diante do avanço do projeto da cessão onerosa no Senado, e endossada por Wall Street após começo da temporada de resultados corporativos, embora permaneçam dúvidas sobre acordo comercial entre Estados Unidos e China.

Bolsa de Valores de São Paulo 03/04/2018 REUTERS/Amanda Perobelli

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa subiu 0,18%, a 104.489,56 pontos. O volume financeiro da sessão somou 15,2 bilhões de reais.

A sessão também foi marcada por ajustes para os vencimentos das opções sobre o Ibovespa e do índice futuro, na quarta-feira.

Para o gestor Werner Roger, sócio-fundador da Trígono Capital, a trajetória do mercado em Nova York ajudou a bolsa brasileira, mas também repercutiu positivamente o andamento do projeto da cessão onerosa no Senado.

A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado aprovou mais cedo o projeto de lei que fixa os critérios de divisão de parte dos recursos do leilão da cessão onerosa, mantendo as regras que haviam sido estipuladas pela Câmara dos Deputados.

A proposta deve ser apreciada pelo plenário do Senado ainda nesta terça-feira e um desfecho nessa questão corrobora apostas de andamento da reforma da Previdência, que vinha sendo contaminada pela discussão da cessão onerosa.

A aprovação da cessão onerosa também dá andamento à agenda do mega leilão de reservas excedentes ao contrato assinado entre União e Petrobras em 2010, previsto para 6 de novembro, que pode render mais de 100 bilhões de reais ao governo, enquanto a empresa ficará com 9 bilhões de dólares.

“Até que o texto seja aprovado, há sempre o risco de atraso ou modificação”, acrescentou Roger.

Os índices de Wall Street fecharam no azul, com o começo da temporada de resultados, em particular os balanços de JPMorgan e Johnson & Johnson, ofuscando o ambiente ainda de desconfiança em relação à negociações comerciais entre EUA e China.

“Investidores analisarão de perto os relatórios (trimestrais), dado cenário de desaceleração do crescimento global, queda das taxas de juros e uma série de riscos como Brexit e guerra comercial”, afirmou a XP Investimentos.

Em nota, o BTG Pactual afirmou que ainda há muitas dúvidas sobre o acordo entre EUA e China e, ao que tudo indica, os níveis de volatilidade devem continuar elevados.

Pesquisa do BofA Merrill Lynch Data Analytics mostrou piora na confiança de gestores em relação à bolsa brasileira, com 47% dos entrevistados avaliando que o Ibovespa fechará 2019 acima de 110 mil pontos. Na leitura anterior, 54% dos entrevistados previam que o nível seria superado.

No Brasil, a safra de balanços corporativos das empresas listadas no Ibovespa começa na próxima semana.

DESTAQUES

- PETROBRAS PN e PETROBRAS ON subiram 1,06% e 1,35%, respectivamente, apesar da queda do preço do petróleo, em meio à expectativa de votação da cessão onerosa.

- BRADESCO PN valorizou-se 0,81%, enquanto BANCO DO BRASIL cedeu 1,38%, antes da precificação da oferta secundária de ações do banco, na quinta-feira. ITAÚ UNIBANCO PN teve baixa de 0,23%.

- CSN ON valorizou-se 2,9%, em sessão positiva para o setor siderurgia, com GERDAU PN subindo 1,8% e USIMINAS PNA terminando com elevação de 1,45%. VALE ON, por sua vez, caiu 0,2%.

- YDUQS ON avançou 2,1%, após notícias de que a empresa negocia com exclusividade a compra de ativos da Adtalem Global Education no Brasil. O Itaú BBA apontou em relatório que se o preço for de 2 bilhões de reais o acordo é “agregador aos acionistas da Yduqs”. COGNA ON caiu 1,5%.

- EQUATORIAL ON caiu 4,95%, após negativa da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) a pedido de revisão tarifária extraordinária de três distribuidoras, entre elas a Companhia Energética do Piauí (Cepisa), da Equatorial. As outras duas distribuidoras pertencem à ENERGISA, que não está no Ibovespa e fechou em queda de 3,72%.

- MRV cedeu 2,73%, em meio à cautela dos agentes antes da divulgação da prévia operacional da construtora para o terceiro trimestre. Ainda, o Citigroup cortou o preço-alvo da ação, de 20 reais para 18,50 reais.

- RUMO cedeu 2,31%, após dados na véspera mostrando que os volumes transportados em setembro recuaram 1,3% ano a ano. O terceiro trimestre mostrou acréscimo de 7,7% ano a ano. O Credit Suisse afirmou que os dados vieram abaixo da expectativa e que os volumes precisam crescer em cerca de 13% no quarto trimestre para a companhia alcançar o piso do guidance.

- CIELO ON perdeu 2,57%, em sessão negativa para empresas de meio de pagamentos. A PagSeguro, negociada em Nova York, caiu 12,3% após anunciar oferta secundária de ações, que tem como vendedor a controladora Universo Online. Stone, também nos EUA, cedeu 3,64%.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below