October 28, 2019 / 4:06 PM / in 14 days

Argentina e Mercosul seguem sendo importantes para a economia brasileira, diz secretário

REUTERS/Marcos Brindicci

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O secretário de Comércio Exterior do Ministério da Economia, Lucas Ferraz, afirmou nesta segunda-feira que a Argentina continua sendo um parceiro importante para o Brasil e acrescentou que o governo não discute a dissolução do Mercosul, nem teme pelo futuro do acordo com a União Europeia após a vitória do candidato peronista Alberto Fernández nas eleições presidenciais argentinas.

Em declaração a jornalistas após evento no Rio de Janeiro, Ferraz frisou, no entanto, que o presidente Jair Bolsonaro foi eleito com uma agenda que defende, entre outros pontos, um “Mercosul mais internacionalizado” e confirmou que o Brasil estuda uma redução da tarifa externa comum do bloco.

“Da parte do governo brasileiro nunca esteve em pauta a dissolução do Mercosul, mas o que sempre se discutiu no âmbito do governo brasileiro foram eventuais flexibilizações e uma eventual redução numa magnitude não estabelecida da nossa tarifa externa comum (TEC)”, disse o secretário, ressaltando que um corte de tarifas terá que ser ainda discutido com países do Mercosul, sociedade e setor privado.

Ferraz afirmou que o governo Bolsonaro não conhece ainda a política econômica do presidente eleito Fernández e que, em tese, o Brasil poderia permanecer sozinho no acordo de livre comércio com a União Europeia em caso de desistência da Argentina. Mas ele disse considerar “muito pouco provável” essa hipótese. “Houve uma aceitação muito clara da Argentina a favor do acordo e não vejo um caminho nessa direção”, disse.

“O que vai acontecer na relação Brasil-Argentina vai depender muito da postura do novo governo, mas seguimos com objetivo claro de aumentar o nível de integração internacional da economia brasileira”, disse Ferraz a jornalistas.

Nesta segunda-feira, o presidente Bolsonaro disse lamentar o resultado das eleições argentinas e afirmou a jornalistas, ao deixar os Emirados Árabes Unidos a caminho do Catar, que não pretende parabenizar Fernández pela vitória. Segundo Bolsonaro, a Argentina “escolheu mal”, mas é preciso aguardar para ver a linha que o novo presidente adotará.

OUTROS ACORDOS

Durante palestra em seminário sobre a governança dos Brics no Rio de Janeiro, Ferraz destacou nesta segunda-feira acordos na área automotiva celebrados pelo governo com Argentina e México, e ressaltou que o Brasil vai em busca de mais espaço no comércio global.

Segundo o secretário, o governo brasileiro pretende iniciar negociações de livre comércio com Estados Unidos, México, Japão e Vietnã no primeiro semestre de 2020. Também espera concluir em 2020 negociações de uma zona franca com Singapura, Canadá e Coreia do Sul.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below