October 31, 2019 / 6:06 PM / 22 days ago

Vendas de participações pelo BNDES deverão ter aval prévio do conselho, diz executivo

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) pretende enxugar a sua carteira de participações em empresas nos próximos três anos e as operações acima de um bilhão de reais terão de passar pelo crivo do conselho, disse a Reuters o presidente do colegiado, Carlos Thadeu de Freitas.

Logo do BNDES na entrada de seu prédio no Rio de Janeiro 08/01/2019 REUTERS/Sergio Moraes

A carteira da BNDESpar, braço de participações do banco de fomento, totaliza mais de 100 bilhões de reais. Participações que mais maduras e que não façam mais sentido serão vendidas.

Investimentos do BNDES com valores individuais acima de um bilhão de reais incluem participações em empresas como Petrobras, Banco do Brasil, Vale e Suzano.

“A decisão de venda de uma posição era da diretoria e o conselho era apenas comunicado. Isso agora vai mudar”, disse Freitas à Reuters.

A mudança surge após uma disputa interna entre o ex-diretor de mercado de capitais André Laloni e técnicos do BNDES sobre a forma de venda de ações do BB detidas pela União.

A disputa provocou a queda de uma executiva da área jurídica do BNDES que não concordava com a condução do processo sugerida por Laloni. Houve críticas de funcionários que culminaram também na saída de Laloni do banco.

“Essa proposta de aperfeiçoamento da governança veio de superintendentes e a diretoria e o conselho aceitaram”, Freitas.

Segundo o executivo, a próxima etapa é a criação de regras e critérios de que como serão feitas essas operações.

As vendas poderão ser feitas via mesa de operações ou por oferta pública global. Para oferta pública ainda haverá regras para escolher a forma e os bancos que vão atuar na operação.

O movimento acontece também em paralelo ao encolhimento das atividade de empréstimos do banco. De janeiro a setembro, o BNDES emprestou 38 bilhões de reais, queda de 14% ante igual etapa de 2018. As estimativas para o ano são de um volume de 55 bilhões a 60 bilhões de reais, um dos menores dos últimos anos.

O banco se comprometeu a devolver ao Tesouro em 2019 mais de 120 bilhões de reais referentes a empréstimos tomados na última década. O banco também deve aprovar alterações estatuto para antecipar em 2019 quase 10 bilhões de reais em dividendos.

Por Rodrigo Viga Gaier

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below