November 20, 2019 / 7:01 PM / 22 days ago

Acordo inicial entre EUA e China pode não ser concluído este ano, dizem fontes de comércio

WASHINGTON (Reuters) - A conclusão de um acordo comercial nomeado “fase um” entre Estados Unidos e China pode ficar para o próximo ano, dizem especialistas em comércio e pessoas próximas à Casa Branca, enquanto Pequim pressiona por uma reversão tarifária mais extensa e o governo Trump conta com demandas próprias elevadas.

Presidente dos EUA, Donald Trump, e presidente da China, Xi Jinping, se encontram em reunião bilateral na Cúpula do G20 no Japão 29/06/2019 REUTERS/Kevin Lamarque

O presidente dos EUA, Donald Trump, e o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, disseram em uma entrevista coletiva em 11 de outubro que um acordo comercial inicial pode levar até cinco semanas para ser assinado.

Pouco mais de cinco semanas depois, um acordo ainda parece difícil e as negociações podem estar ficando mais complicadas, disseram especialistas em comércio e pessoas informadas sobre as negociações à Reuters.

Trump e o representante comercial dos EUA, Robert Lighthizer, reconhecem que a reversão de tarifas para um acordo que não atenda às questões essenciais de propriedade intelectual e transferência de tecnologia não será vista como um bom negócio para os EUA, disse uma pessoa informada sobre o assunto.

Autoridades de Pequim sugeriram anteriormente que o presidente chinês Xi Jinping e Trump poderiam assinar um acordo no início de dezembro. Alguns especialistas dizem que a próxima data a ser observada é 15 de dezembro, quando as tarifas de cerca de 156 bilhões em mercadorias chinesas deverão entrar em vigor, incluindo itens de presentes de feriado, como eletrônicos e decorações de Natal.

“Se as negociações estiverem realmente indo bem, essa alta será suspensa”, disse Christian Whiton, membro sênior de estratégia e comércio do Center for the National Interest e ex-consultor dos governos Trump e George W. Bush. “Caso contrário, os EUA vão implementá-la e isso levará o jogo para o próximo ano.”

A repressão aos manifestantes de Hong Kong também pode complicar a conclusão do acordo.

O Senado dos EUA aprovou um projeto na noite de terça-feira condenando a repressão e prometendo apoio a Hong Kong, o que foi imediatamente criticado por Pequim.

“A violenta repressão contra manifestantes em Hong Kong, dirigida por Pequim, diminui as chances de um acordo”, disse Whiton. “Xi realmente vai ser convidado para um aperto de mão com o presidente enquanto seus policiais estão batendo em estudantes em Hong Kong?”

As negociações também são complicadas por conflitos dentro da Casa Branca sobre a melhor abordagem para a China e pelo fato de Trump poder vetar qualquer acordo acordado no último minuto.

“A China terá que fazer um acordo que eu goste”, disse Trump na terça-feira em uma reunião do gabinete. “Se não fizermos um acordo com a China, aumentarei as tarifas ainda mais”, disse.

Apesar disso, alguns especialistas da China e do comércio informados sobre as negociações disseram à Reuters que ainda estão otimistas de que um acordo possa se concretizar nas próximas semanas, e Trump disse na quarta-feira que sua equipe continua a conversar com a China.

Uma ligação de sábado entre Mnuchin, Lighthizer e o vice-primeiro-ministro da China, Liu He, foi descrita como “construtiva” pela mídia estatal chinesa Xinhua.

E o governo dos EUA começou a emitir licenças para algumas empresas para fornecer bens à Huawei Technologies, o maior fabricante mundial de equipamentos de telecomunicações cuja lista negra do governo tem sido outro ponto de discórdia.

No entanto, especialistas da mídia chinesa agora também dizem que estão pessimistas em relação a um acordo.

“Poucos chineses acreditam que a China e os EUA podem chegar a um acordo em breve”, tuitou Hu Xijin, editor do tablóide chinês Global Times, apoiado pelo Estado, na quarta-feira.

O Global Times não é o meio de comunicação oficial do Partido Comunista Chinês - que é o Diário do Povo -, mas Hu descreveu seu papel como dando voz ao que as autoridades de Pequim gostariam de dizer em público.

Hu concluiu seu tuíte: “A China quer um acordo, mas está preparada para o pior cenário, uma guerra comercial prolongada”.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below