December 2, 2019 / 12:56 PM / 9 days ago

Explosão de agitação social testa modelos de risco de mercados emergentes

Protesto contra o governo chileno em Santiago 28/11/2019 REUTERS/Goran Tomasevic

LONDRES (Reuters) - Uma onda de agitação social nos países em desenvolvimento este ano pegou muitos investidores desprevenidos e desafia modelos projetados para avaliar riscos políticos para os investidores, levando alguns a retirar seu dinheiro dessas regiões.

Isso levou a preocupações de que uma retirada de bilhões de dólares de carteiras de investimentos agrave os males econômicos domésticos e aumente ainda mais a raiva nas ruas, à medida que o dinheiro estrangeiro, vital para o crescimento econômico e de empregos, se esgota.

Manifestações antigovernamentais em Hong Kong, Chile, Bolívia, Líbano e outros países nos últimos meses se mostraram tão intensas e duradouras quanto repentinas e surpreendentes.

A forte reação do mercado obrigou até mesmo os gerentes de dinheiro experientes, que se orgulham da capacidade de navegar pelos riscos políticos geralmente inerentes aos mercados emergentes, a repensar.

Muitos trabalham com analistas de risco internos ou externos para monitorar tudo, desde mudanças nos impostos às mídias sociais, para avaliar a ameaça de conflitos civis, rebeliões ou mesmo guerras.

A inquietação confirmou que medidas tradicionais de risco, como a disposição de um governo em pagar suas dívidas ou estabilidade política, nem sempre captam completamente os primeiros sinais de desordem e estão aumentando o interesse por indicadores mais amplos. Isso pode incluir a liberdade na Internet e até o equilíbrio de gênero nas salas de aula das escolas do país.

“Trata-se realmente de pensar onde a próxima instabilidade poderia ocorrer e tentar impedir isso”, disse Richard House, CIO de dívida de mercado emergente da Allianz Global Investors, que possui 535 bilhões de euros em ativos sob gestão. “Qualquer cheiro de inquietação nesses mercados e que tem um grande impacto nos preços dos ativos”.

Alguns preços de ativos tiveram um forte colapso. Os títulos do Líbano são negociados a menos de metade do seu valor de face, as ações de Hong Kong caíram cerca de 13% desde abril e o peso do Chile bateu mínimas recordes.

O descontentamento popular no Chile, que desfrutou de crescimento econômico consistente e prosperidade crescente por anos, foi uma surpresa particular. Os indicadores projetados para sinalizar tal possibilidade deixaram a desejar quando ocorreram tumultos em outubro.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below