January 16, 2020 / 12:01 PM / 4 months ago

China diz que acordo comercial é bom para todos e mídia estatal desencoraja "picuinhas"

PEQUIM (Reuters) - A mídia estatal chinesa alertou nesta quinta-feira contra qualquer “picuinha”, ao mesmo tempo em que Pequim retratou a Fase 1 do acordo comercial com os Estados Unidos e seus novos compromissos de compras maciças de produtos norte-americanos como um benefício para a economia chinesa.

Bandeiras dos EUA e da China 30/07/2019 REUTERS/Aly Song

Em troca de algum alívio tarifário, a China concordou em comprar pelo menos 200 bilhões de dólares acionais em bens e serviços norte-americanos ao longo de dois anos, incluindo 32 bilhões a mais em importações de produtos agrícolas dos EUA - metas que alguns analistas dizem serem difíceis de alcançar.

No país mais populoso do mundo, a cobertura da assinatura foi gerenciada com rigor e o acordo comercial rapidamente saiu dos 10 principais tópicos de tendências na plataforma chinesa Weibo, semelhante ao Twitter.

Uma pessoa que trabalha em censura na gigante chinesa de mídia social ByteDance e uma alta autoridade em um meio de comunicação estatal disse à Reuters que os funcionários foram instruídos a usar apenas relatórios oficiais sobre o acordo - orientação que não é incomum para notícias políticas sensíveis.

A mídia oficial e as declarações do governo foram otimistas, com o Diário do Povo dizendo que o aumento das importações agrícolas “enriquecerá as mesas de jantar das pessoas comuns”.

Um artigo da mesma publicação sob o pseudônimo “Zhong Sheng”, geralmente usado para expressar suas opiniões sobre política externa, disse que o pacto estava alinhado com as reformas da China, a abertura e a busca por crescimento de alta qualidade.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Geng Shuang, disse que a Fase 1 do acordo é boa para os dois países e para o mundo quando perguntado se ele achava o acordo injusto.

O Ministério do Comércio da China, que normalmente comenta questões comerciais, cancelou no início desta semana sua entrevista coletiva rotineira de quinta-feira.

Um debate robusto não foi, contudo, incentivado.

Um editorial do Global Times, tabloide do Diário do Povo, afirmou que debater “sobre quem perdeu ou ganhou é superficial”.

“Pedimos às pessoas e força que exercitem alguma restrição em suas picuinhas sobre o acordo e em falar mal de futuras negociações comerciais”, disse.

O acordo é bem-vindo para o presidente Xi Jinping, que enfrenta uma economia em desaceleração, inquietação em Hong Kong e a recente reeleição do presidente do partido pró-independência de Taiwan, Tsai Ing-wen, disse Wang Yiwei, professor de relações internacionais na Universidade Renmin em Pequim.

“O fato de a China não ter sido derrotada completamente já é um sucesso”, disse ele.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below