January 20, 2020 / 9:27 PM / in 5 months

CORREÇÃO (OFICIAL)-Justiça suspende licenciamento de projeto de mineração de chineses em MG; empresa recorrerá

(Corrige no 5º parágrafo, de reportagem publicada na 2a-feira, informação divulgada pelo MP para 2 barragens de rejeitos, e não 3 barragens)

SÃO PAULO (Reuters) - Um decisão judicial liminar suspendeu a tramitação de processos de licenciamento ambiental para um projeto de mineração no Brasil da Sul Americana de Metais (SAM), subsidiária da chinesa Honbridge Holdings 8137.HK.

O Ministério Público do Estado de Minas Gerais afirmou em nota à imprensa nesta segunda-feira que a decisão da Justiça Federal de Montes Claros atendeu ação de procuradores contra empreendimento conhecido como Bloco 8, que envolve uma mina e um mineroduto.

O MP-MG e o Ministério Público Federal questionaram o fracionamento dos procedimentos de licenciamento, atribuídos ao Estado de Minas Gerais, para a mina, e ao órgão federal Ibama, no caso de um mineroduto associado.

A SAM, e sua parceira na iniciativa, a Lotus Brasil Comércio e Logística, criada em conjunto com a Lotus Fortune Holding, preveem produção anual de 30 milhões de toneladas de minério de ferro no projeto (com teor de 20%).

O empreendimento, no norte de Minas, contará com duas barragens de rejeitos —a maior delas com capacidade para 845 milhões de metros cúbicos. Ele também inclui um mineroduto de 480 quilômetros até o porto de Ilhéus (BA).

Na decisão judicial, o juiz responsável pelo caso apontou entender que o licenciamento não deveria ser fragmentado, mas ressaltou que não iria analisar o mérito dos processos de análise pelos órgãos ambientais.

Ao conceder a liminar, acatando parcialmente os pedidos dos procuradores, ele afirmou que a suspensão é válida até decisão final sobre a ação judicial e determinou que as partes envolvidas sejam intimadas para uma audiência preliminar de conciliação.

Procurada, a SAM disse que ainda não foi notificada oficialmente, mas destacou que “adotará as medidas necessárias para dar continuidade ao licenciamento” e defendeu que “o processo está dentro da legalidade e obedece às normas e legislação vigente”.

“Essa decisão está restrita à discussão de competência administrativa do licenciamento, ou seja, a qual órgão vai licenciar o empreendimento. Não discute a viabilidade do projeto”, acrescentou a empresa, em nota.

Por Gabriel Araujo

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below