January 23, 2020 / 3:02 PM / 7 months ago

Brasil pede à Índia corte de taxas de importação sobre produtos de frango

NOVA DÉLHI (Reuters) - O Brasil quer que a Índia reduza taxas sobre a importação de frango e produtos de frango, o que permitiria ao país aproveitar a crescente demanda indiana por esses produtos, impulsionada por um crescimento na renda e mudanças nos hábitos alimentares locais.

Ministra Tereza Cristina Dias fala durante entrevista no Itamaraty 3/7/2019 REUTERS/Adriano Machado

A Índia impõe taxas de importação de 100% sobre produtos de frango e de 30% sobre frangos inteiros, consideradas elevadas demais para que países como Brasil e EUA consigam avançar no mercado local, onde a indústria de frango tem crescido mais de 10% ao ano.

“Nós gostaríamos de pedir à Índia que reduza suas tarifas sobre frango e produtos de frango, que são muito elevadas”, disse à Reuters a ministra da Agricultura brasileira, Tereza Cristina, durante visita à Índia.

O Brasil também gostaria de importar uma série de produtos da Índia, afirmou ela.

“Nossos laços comerciais podem ser um ganha-ganha para ambos os países, uma vez que também queremos importar da Índia e oferecer conhecimento técnico nos quais podem também ter interesse”, acrescentou.

Além do Brasil, os EUA também querem que a Índia reduza as tarifas de importação de frango— um pedido que gera resistência da indústria local de frango, contrária a qualquer corte nas taxas.

O Brasil também quer trabalhar com a Índia no setor de produção de etanol, o que ajudaria o governo indiano a adotar uso de maior mistura de etanol na gasolina, segundo a ministra.

A Índia superou o Brasil como maior produtora de açúcar do mundo há dois anos, e a grande fabricação do adoçante desde então levou a um forte aumento nos estoques e a uma acentuada queda nos preços locais.

Agora, para deixar para trás o excesso de oferta, usinas indianas tentam diversificar o chamado mix de produção e utilizar uma maior parcela da cana para a fabricação de etanol —mas, diferentemente do Brasil, a produção do biocombustível é limitada na Índia.

Questionada se a delegação brasileira discutiu a questão dos subsídios da Índia para o açúcar, a ministra afirmou: “Nós não falamos nada sobre açúcar. O assunto já está na OMC (Organização Mundial do Comércio).”

O Brasil alega que as exportações de açúcar da Índia não estão em linha com regras da OMC e prejudicam a livre concorrência no mercado global. Além do Brasil, a Austrália e a Guatemala também questionaram os subsídios na OMC.

A Índia, que tem sofrido com excesso de oferta de açúcar, aprovou um subsídio de 10.448 rúpias (145,58 dólares) por tonelada para exportações na temporada 2019/20— um movimento que incentivou usinas a buscar vendas no exterior.

O ministro de Assuntos do Consumidor, Alimentos e Distribuição Pública da Índia, Ram Vilas Paswan, pediu que Tereza permita que a Índia exporte sementes de milho e cebolas ao Brasil como medida de reciprocidade, uma vez que Nova Délhi já liberou vendas de commodities do Brasil, como milho, algodão e soja, ao país asiático.

Os primeiros pedidos da Índia para que o Brasil passasse a comprar sementes de milho e cebolas do país foram realizados em 2012.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below