January 29, 2020 / 4:01 PM / 5 months ago

Foco em 'Japonificação' acirra discussão do BOJ sobre revisão de política monetária

O presidente do Banco do Japão, Haruhiko Kuroda, participa de coletiva de imprensa em Tóquio, Japão. 21/01/2020. REUTERS/Kim Kyung-Hoon

TÓQUIO (Reuters) - As falas recentes entre os principais bancos centrais sobre como evitar a “japonificação” levantaram um debate no Banco do Japão (BOJ) sobre a necessidade de rever sua estrutura de política monetária, mostrou um resumo das opiniões sobre a decisão de juros de janeiro.

O Federal Reserve (Fed) e o Banco Central Europeu (BCE) estão revisando sua abordagem de política monetária e metas de inflação para evitar a “japonificação” —um termo usado para descrever a batalha de duas décadas do país contra a deflação e o crescimento anêmico.

“Há um debate ativo sobre políticas econômicas na Europa e nos Estados Unidos devido à preocupação com o baixo crescimento prolongado e a inflação —a chamada japonificação”, disse um dos nove membros da diretoria do BOJ.

“Apesar de levar em conta a política fiscal e a estratégia de crescimento do governo, é necessário revisar também a política monetária no Japão, dado o baixo crescimento prolongado e a inflação baixa”, disse o membro na reunião de janeiro.

Outra opinião mostrada no resumo, divulgado nesta quarta-feira, sinalizava a necessidade de as autoridades se protegerem contra o risco de o Japão cair novamente em deflação.

Na reunião de janeiro, o BOJ manteve a política estável e elevou suas previsões de crescimento com a redução dos riscos globais. Mas o presidente do BOJ, Haruhiko Kuroda, enfatizou sua decisão de manter as políticas ultraflexíveis devido à permanência das incertezas mundiais.

Atualmente, a diretoria do BOJ está dividida entre aqueles que vêem espaço para aumentar os estímulos e os que desconfiam do custo crescente do prolongado relaxamento monetário.

Alguns membros alertaram sobre os efeitos colaterais da política monetária do BOJ, com um dizendo que a redução dos custos dos empréstimos não impulsionará muito a economia porque famílias e empresas continuam economizando mais do que gastam, mostrou o texto.

Outro membro disse que as taxas de juros negativas podem prejudicar as expectativas de inflação, tornando as famílias e as empresas mais céticas quanto às perspectivas econômicas, segundo o documento.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below