February 6, 2020 / 9:31 PM / 5 months ago

Com safra maior, VLI está positiva para movimentação ferroviária na Norte Sul

Trecho de ferrovia no Nordeste brasileiro 29/10/2016 REUTERS/Ueslei Marcelino

SÃO PAULO (Reuters) - A operadora logística VLI avalia que um aumento esperado para as safras de soja e milho em 2020 poderá permitir novo crescimento anual na movimentação ferroviária em trecho operado pela companhia ao norte do país, que viabiliza a chegada dos produtos no porto de Itaqui, no litoral maranhanse.

Em 2019, o trecho entre Porto Nacional (TO) e Açailândia (MA) movimentou 7,9 milhões de toneladas de milho, soja e farelo, um crescimento de 25% na comparação com o ano anterior. O trecho se conecta com a Estrada de Ferro Carajás, que garante a chegada dos produtos a Itaqui.

Com tal capilaridade, a VLI consegue captar cargas de grãos de importantes áreas produtoras, como o leste e nordeste do Mato Grosso, sul do Pará e a região do Matopiba (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia), onde a produção deve crescer na safra atual, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

“A VLI acompanha as movimentações, previsões do mercado e acreditamos que o nosso sistema vai continuar contribuindo com o crescimento do agronegócio”, afirmou a companhia, ao ser questionada sobre projeções para 2020.

Segundo a Conab, a expectativa é de aumento de 11% na safra do Tocantins, cerca de 7% no Piauí, 3,8% no Maranhão e 3% em Mato Grosso.

A empresa não divulga informações sobre projeções de volumes transportados.

O gerente-geral responsável pelas operações ferroviárias da VLI nos Estados do Maranhão e Tocantins, Fabiano Rezende, disse que a infraestrutura construída pela empresa na região —dois terminais com capacidade para 6 milhões de toneladas/ano— oferece eficiência ao escoamento.

“Nosso sistema utiliza a integração dos modais. Recebemos a carga de caminhões, transferimos para a ferrovia e embarcamos no porto. Essa rota aproveita as qualidades de cada modalidade para entregar agilidade ao mercado”, disse.

A empresa, que tem entre os principais acionistas a mineradora Vale e a canadense Brookfield, além da japonesa Mitsui, engloba as ferrovias Norte Sul (FNS) e Centro-Atlântica (FCA), além de terminais intermodais e terminais portuários situados em eixos estratégicos da costa brasileira, tais como em Santos (SP), São Luís (MA) e Vitória (ES).

Por Roberto Samora

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below