February 18, 2020 / 8:33 PM / in 3 months

Países emergentes sem BC autônomo tendem a ter inflação maior em ano eleitoral, diz Campos Neto

O presidente do Banco Central do Brasil, Roberto Campos Neto, durante uma coletiva de imprensa na sede do Banco Central em Brasília. 09/01/2020. REUTERS/Adriano Machado

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, voltou a defender a correlação entre bancos centrais independentes e inflação mais baixa em seu segundo encontro do dia com parlamentares nesta terça-feira para tratar da agenda legislativa do BC.

Em reunião com a bancada federal do Democratas, na Câmara dos Deputados, Campos Neto destacou que, “quanto mais independente o banco central é, mais credibilidade você tem na política (monetária)” e afirmou que, em economias emergentes que não têm BC autônomo, a inflação tende a ser maior em ano eleitoral.

“Existem estudos que mostram, e é o caso de muitas das economias emergentes que não têm banco central independente, nos anos de eleição você geralmente tem inflação maior”, afirmou. “Também é possível ver que, quanto mais polarizado o processo de eleição, maior ainda a inflação, maior ainda a incerteza.”

Campos Neto também destacou que o Brasil é o único país do G20 cujo banco central não tem autonomia.

Mais cedo nesta terça-feira, o presidente do BC almoçou com a Frente Parlamentar da Agropecuária, quando afirmou que a autonomia de bancos centrais aumenta em 50% as chances de um país ter inflação baixa, sem prejuízo à atividade econômica.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below