February 20, 2020 / 4:27 PM / 3 months ago

Presidente do banco central da Argentina diz que "é possível" um default--mídia

Fachada do banco central da Argentina, em Buenos Aires 28/10/2019 REUTERS/Ricardo Moraes

BUENOS AIRES (Reuters) - O presidente do banco central de Argentina disse nesta quinta-feira que “é possível” que haja uma suspensão dos pagamentos do país, mas ponderou que há “poucas probabilidades”, referindo-se à tentativa de renegociação da dívida do país de 100 bilhões de dólares.

“Estamos em uma negociação, o governo vai fazer umaoferta, e essa oferta pode ser aceita ou rejeitada. Mas o governo não vai aceitar nenhum tipo de proposta que não sejasustentável no curto prazo e no longo prazo”, disse o presidentedo banco central argentino, Miguel Pesce, em entrevista à rádio La Red de Buenos Aires.

O governo do presidente da Argentina, Alberto Fernández, recebeu na quarta-feia um forte apoio do Fundo Monetário Internacional (FMI) na negociação com os credores. O organismo disse que a operação da dívida deve gerar uma “contribuição apreciável” por parte dos detentores de bônus.

Os funcionários do FMI e o ministro de Economia argentino, Martín Guzmán, concordaram que a dívida atual “não é sustentável”.

Guzmán impôs uma data limite para a reestruturação: 31 de março.

O governo “vai fazer uma oferta consistente e há altasprobabilidades de que os credores a aceitem, mas não depende do governo, mas da vontade de terceiros. Alguma probabilidade de que a oferta seja rejeitada existe. Esperamos que isso não ocorra”, explicou Pesce.

Reportagem de Eliana Raszewski

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below