March 4, 2020 / 6:33 PM / 3 months ago

Composição do PIB preocupa e evidencia urgência de reformas, dizem economistas

BRASÍLIA (Reuters) - O crescimento da economia brasileira em 2019 veio em linha com expectativas do mercado, mas economistas mostraram desconforto com a composição dos dados do Produto Interno Bruto (PIB) do quarto trimestre, que revelou retração do investimento e desaceleração do consumo, os dois fatores que sustentaram a atividade no ano passado.

15/10/2010 REUTERS/Bruno Domingos

A frustração com os números levou alguns economistas a reduzir sua projeção para PIB de 2020 nesta quarta-feira, reforçando movimento que já vinha ocorrendo desde a semana passada em meio a temores sobre o impacto da epidemia de coronavírus sobre a demanda e a produção globais.

O PIB brasileiro cresceu 0,5% no último trimestre do ano frente ao terceiro trimestre e acumulou alta de 1,1% no ano. Na comparação com o período de julho a setembro, os investimentos caíram 3,3% no quarto trimestre e o consumo das famílias teve alta de 0,5%, após um crescimento de 0,7% no terceiro trimestre.

Para a economista-chefe da ARX Investimentos, Solange Srour, o fraco desempenho do consumo chamou particularmente a atenção tendo em vista os efeitos positivos que eram aguardados com a liberação de recursos do FGTS. Ela reduziu a expectativa de PIB para 2020 a 1,8%, de 2,2% antes.

“O que está mudando a perspectiva para 2020 é a não concretização da retomada do investimento no primeiro trimestre e também da produção, com a indústria também decepcionando. Isso não tem a ver com coronavírus”, disse ela, avaliando que ainda é cedo para estimar o impacto do surto na economia brasileira.

Ao anunciar, em julho, regras que permitiram a liberação de parte dos recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, o Ministério da Economia disse esperar que a iniciativa impulsionaria e economia em 0,35 ponto percentual em um prazo de 12 meses.

Srour também citou a decepção com o andamento da agenda econômica no Congresso e as turbulências políticas, com efeitos sobre a confiança, como fatores que estão pesando nas revisões do PIB.

“Apesar de o Congresso dizer que vai apoiar a agenda, a gente vê florescer muitas pautas bombas, o governo enrolado em assuntos que deveriam ser triviais, como a votação dos vetos do Orçamento, e as PECs que foram enviadas no ano passado e que completariam o ajuste fiscal estão atrasadas. A PEC tributária e a administrativa nem enviadas foram”, disse ela.

André Perfeito, economista-chefe da corretora Necton, disse que, a partir dos novos dados, vai revisar “fortemente para baixo” sua projeção para o PIB de 2020, ante projeção de 3%. À Reuters, indicou que o novo patamar deve ser de “1,6% ou menos”.

“Trabalhávamos com a hipótese que a Formação Bruta do Capital Fixo mantivesse o bom resultado, no entanto foi uma decepção os números apresentados”, afirmou em nota a clientes, acrescentando que também previa um melhor resultado para o consumo das famílias.

Para a pesquisadora da área de Economia Aplicada do FGV/IBRE Luana Miranda, a queda do investimento no quarto trimestre joga ainda mais luz sobre a necessidade de reformas estruturais no Brasil para impulsionar a atividade em 2020.

“A consolidação do ambiente macro, a reforma tributária, isso é algo essencial para que os investidores venham”, disse. “É preciso uma consolidação também no ambiente político, de modo que a incerteza política se reduza de forma consistente, isso atrapalha bastante decisões de investimento.”

Nesse sentido, o estrategista da INVX Global Partners Eduardo Velho destaca que os próximos dois meses serão fundamentais para uma definição sobre o ritmo de evolução das reformas e da possibilidade de uma retomada mais consistente da economia.

Seu cenário central, que prevê crescimento de 1,92% este ano, considera que o pacto federativo e a reforma administrativa avançarão ao longo do ano e que os juros básicos, hoje na mínima recorde de 4,25%, cairão em pelo menos 0,25 ponto percentual.

“Agora com certeza abre espaço para cair um pouco mais os juros, sem comprometer a meta (de inflação)”, afirmou Velho. “O que também vai contribuir para uma melhora do consumo das famílias.”

GRADUALISMO

Velho pondera que o crescimento do ano passado está compatível com o PIB potencial do país e aponta para a continuidade de um crescimento modesto, mas sustentado.

Carlos Lopes, economista do banco BV, afirma que sua projeção ainda é de recuperação gradual para 2020, ainda que a expectativa de crescimento de 2,5% vá ser revisada para menos de 2% por causa dos efeitos do coronavírus e de dados fracos da atividade nos primeiros dois meses do ano.

Os números do PIB de 2019, segundo Lopes, “não mudam a história”. “Vemos o setor de serviços ainda resiliente e a indústria fraquejando, sem uma tendência clara de recuperação.”

Pelo lado da oferta, Miranda, da FGV/IBRE, chamou atenção também para o desempenho ainda fraco da construção civil no quarto trimestre, apesar da melhora que havia sido apontada pelos indicadores antecedentes, reforçando incertezas para o desempenho do setor neste ano.

A construção cresceu 1,6% em 2019, após cinco anos sem resultados positivos, mas no quarto trimestre amargou uma retração de 2,5% sobre os três meses anteriores.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below