March 5, 2020 / 11:59 AM / in 3 months

ANÁLISE-Depois de reduzir juros, Fed tem mais armas para combater efeito do coronavírus

CHAMPAIGN, EUA (Reuters) - A decisão de emergência do Federal Reserve de reduzir sua taxa de juros esta semana em resposta ao surto de coronavírus foi realmente bastante direta, disseram autoridades, à medida que os riscos econômicos se acumulavam rapidamente e a confiança diminuía.

Federal Reserve Bank em Washington, DC 22/08/2018 REUTERS/Chris Wattie

O que acontece a seguir é menos claro.

O banco central levou as taxas de juros para mais perto de zero como “seguro” contra riscos potenciais que não foram realmente apresentados nos principais dados econômicos, dificultando a previsão de seu próximo passo.

“Essa é uma pergunta difícil. Estamos realmente na iminência de tudo isso e não sei dizer exatamente como isso vai acontecer”, disse o presidente do Federal Reserve de Chicago, Charles Evans, na noite de terça-feira, durante um evento na Universidade de Illinois.

O Fed tem um punhado de opções.

1) Reduzir ainda mais os juros.

O Fed é um dos poucos bancos centrais das economias avançadas do mundo a ter espaço para baixar a taxa de juros e ainda mantê-la acima de zero.

Na terça-feira, ele reduziu sua taxa de empréstimos ‘overnight’ em 0,5 ponto percentual, para um intervalo entre 1,00% e 1,25%.

Muitos economistas esperam que as autoridades cortem mais 0,25 ponto quando se reunirem em Washington em 17 e 18 de março, para divulgar previsões econômicas atualizadas, e façam outra redução de 0,25 ponto alguns meses depois.

As previsões econômicas do Fed serão baseadas em ambas as suposições sobre o impacto do corte nas taxas promulgadas nesta semana e em algum sentido do curso esperado do vírus, disse Bill English, ex-diretor de assuntos monetários do Fed e professor da Yale School of Management.

As autoridades também estarão procurando qualquer sinal de mudança real no horizonte, em termos de crescimento mais lento ou maior desemprego, disse ele.

Se promover mais cortes, o Fed terá pouco espaço antes de alcançar o que as autoridades chamam de “limite inferior efetivo”, que neste caso significa essencialmente uma taxa de juros zero.

2) Aumentar as compras de títulos.

O Fed já possui mais de 4,2 trilhões de dólares em ativos em seu balanço, incluindo mais de 3,8 trilhões em títulos.

Durante a crise financeira de 2008, captou dívidas do Tesouro e títulos lastreados em hipotecas para conter as taxas de juros de longo prazo e promover uma recuperação, barateando o crédito.

O Fed está comprando dívida governamental de novo, mas apenas notas de prazo mais curto para reabastecer os níveis de reserva do banco que ficaram baixos demais no ano passado, provocando problemas nos mercados monetários. Autoridades insistem que as compras atuais são puramente técnicas por natureza, e esperavam reduzi-las a partir do segundo trimestre.

“Embora o Fed perceba que o coronavírus apresenta um risco de recessão, o mercado está percebendo cada vez mais a recessão como um cenário básico”, escreveram analistas da Cornerstone Macro.

Se esse cenário terrível se tornar mais provável, o Fed provavelmente cortará os juros rapidamente, talvez para zero em uma grande jogada.

Depois, faria compras de títulos, o que pode reduzir os custos de empréstimos dos EUA mesmo que as taxas de juros de curto prazo fiquem em zero, mostraram trabalhos acadêmicos e análises de política monetária este ano.

3) Desenvolver orientação futura agressiva.

O Fed poderia falar sobre as condições sob as quais as taxas subiriam, uma sugestão que muitos analistas, acadêmicos e ex-autoridades disseram que ajuda a ancorar as expectativas das empresas e das famílias e a melhorar o impacto da política monetária.

A “orientação futura”, especialmente a promessa de permanecer estimulativa no futuro até que certos marcos sejam alcançados - tranquilizaria as empresas e os consumidores de que as taxas de juros não subirão tão cedo.

4) Não fazer nada

As autoridades que falaram desde o corte de juros continuam a descrever a economia norte-americana em termos positivos, como forte e resiliente.

Alguns, como Evans, têm sido mais explícitos, dizendo que esperam um impacto curto e leve no crescimento econômico, com uma recuperação talvez até o final do ano, que deixa pouco mais que um abalo.

“Vamos superar o coronavírus em algum momento”, disse Loretta Mester, presidente do Fed de Cleveland, em entrevista à CNBC na quarta-feira. Quando isso acontecer, disse Mester, sua expectativa é de que a economia continue avançando no caminho que era projetado antes da chegada do vírus.

Depois disso, o Fed pode deixar as taxas baixas, sugeriu Evans. Antes do surto de vírus, as autoridades pensavam que a taxa de juros mais alta anterior, de 1,5% a 1,75%, era a correta, sem uma mudança clara na previsão.

Se ocorrer um rápido retorno, não há razão para aumentar os juros, a menos que a inflação atinja ou exceda a meta de 2% do Fed, disse Evans. “Eu ficaria confortável com qualquer ‘reflação’ que possa resultar disso”, afirmou.

“As coisas raramente funcionam exatamente como você planeja”, acrescentou Evans. “A maior mensagem que precisamos transmitir é que estamos dispostos a fazer o que for preciso.”

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below