for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Venda de cimento por dia útil cresce em fevereiro, dizem fabricantes

Pessoas passam por um amontado de cimento. 8/11/2010. REUTERS/Akintunde Akinleye

SÃO PAULO (Reuters) - A comercialização de cimento no Brasil em fevereiro teve alta nas comparações mensal e anual, considerando dias úteis, segundo dados divulgados nesta sexta-feira pela associação que representa os fabricante do insumo, Snic.

A venda de cimento em fevereiro subiu 7,4% na comparação com o mesmo mês do ano passado e avançou 5,8% sobre janeiro deste ano, para 198,7 mil toneladas por dia útil.

Em termos nominais, as vendas de fevereiro ficaram estáveis no país sobre um ano antes, a 4,07 milhões de toneladas, informou o Snic. No bimestre, porém, o setor registrou queda de 0,5% na comercialização, para 8,58 milhões de toneladas.

“O setor de infraestrutura, que já representou uma parcela significativa do consumo de cimento e de onde se espera uma recuperação em 2020 ainda não retomou a velocidade desejada”, afirmou em comunicado o presidente do Snic, Paulo Camillo.

Segundo a entidade, as fortes chuvas que afetaram as vendas nas regiões Norte e Sudeste em janeiro continuaram prejudicando em fevereiro, ao impactarem o ritmo das obras de construção.

As vendas na região Norte caíram 4,1% em fevereiro sobre um ano antes, para 165 mil toneladas. No Sudeste, houve queda de 4,2%, para 1,84 milhão de toneladas. Nas regiões Nordeste, Centro-Oeste e Sul, houve expansão de 3,3% a 5% no período.

Por Alberto Alerigi Jr.; edição de Aluísio Alves

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up