March 6, 2020 / 10:24 PM / a month ago

Armas econômicas padrão dos EUA podem ser inadequadas para crise de coronavírus

NOVA YORK/WASHINGTON (Reuters) - Conforme os riscos do surto de coronavírus continuam aumentando, as autoridades americanas estão se debatendo sobre o que fazer nos piores cenários econômicos, caso um grande número de pessoas não possa ir trabalhar, sejam orientadas a ficar em casa ou parem de sair em público inteiramente.

Pattaya, Tailândia 7/3/2020 REUTERS/Soe Zeya Tun

Em Washington, na sexta-feira, funcionários do governo de Donald Trump comprometeram-se a fornecer ajuda “oportuna e direcionada” para trabalhadores e pequenas empresas, se a renda for afetada.

Enquanto isso, autoridades do Federal Reserve abordaram ideias além dos cortes nas taxas de juros, como instar os bancos a relaxarem as regras de pagamento de empréstimos ou pressionar o Congresso a permitir que o banco central dos EUA compre outros ativos que não títulos do governo, se mercados específicos estiverem sob pressão.

Tanto a taxa de juros de curto prazo quanto o rendimento de títulos de longo prazo estão próximos de zero, deixando pouco espaço para o banco central ajudar a economia, reduzindo os custos de empréstimos para famílias e empresas, disse o presidente do Fed de Boston, Eric Rosengren.

“Acho que precisamos pensar de forma ampla sobre quais ferramentas usaríamos”, se o impacto do vírus persistir, disse Rosengren durante uma conferência de economia em Nova York, na qual as autoridades do Fed foram insistentemente questionadas sobre seus preparativos e solicitadas a comentar os piores cenários de saúde, em que dezenas de milhões estariam mortos.

Rosengren, observando o trabalho de outros acadêmicos, disse que “pode ​​ser importante” permitir que o Fed compre outros ativos que não o Tesouro dos EUA e títulos lastreados em hipotecas, como uma maneira de reforçar os mercados estressados.

Isso exigiria uma mudança controversa na lei federal, e abordá-la, mesmo hipoteticamente, aponta para o horizonte nebuloso que os formuladores de políticas econômicas enfrentam.

Nesse ponto, as principais estatísticas de saúde sobre o coronavírus, como sua taxa de transmissão entre indivíduos, permanecem incertas. Conseqüentemente, o mesmo ocorre com qualquer estimativa das consequências econômicas, que dependerá de quão amplamente o vírus se espalha e quanto tempo ele circula.

O número de pessoas em todo o mundo infectadas com COVID-19, o vírus que causa a doença semelhante à gripe, ultrapassou 100.000. Mais de 3.400 pessoas morreram no surto.

ESPERANDO O PIOR

Um relatório de empregos positivo dos Estados Unidos de fevereiro, divulgado nesta sexta-feira, evidencia parte do dilema para os formuladores de políticas.

Os principais dados macroeconômicos são retrospectivos e ainda precisam mostrar um resultado do surto. Apenas algumas centenas de casos e 15 mortes foram relatadas no país até agora.

Economistas que vasculham dados em tempo real também tiveram dificuldades para encontrar problemas claros até agora.

Uma queda nas receitas recentes das bilheterias de filmes, observaram os economistas do JP Morgan, pode mostrar pessoas evitando teatros. Ou pode ser simplesmente o produto da “popularidade dos filmes lançados recentemente ... Ainda não está claro se há muito declínio além do ruído normal nos dados”.

Os mercados financeiros em todo o mundo esperam o pior e os analistas econômicos aumentaram suas expectativas de uma recessão nos EUA este ano. Os índices de ações continuaram despencando e os rendimentos de títulos do Tesouro dos EUA de longa data caíram para novos recordes na sexta-feira.

Ações padrão de emergência, como redução das taxas de juros ou redução de impostos em tempo real, têm como objetivo reduzir o custo do crédito, permitindo que empresas e famílias tomem empréstimos e invistam ou coloquem dinheiro nos bolsos das pessoas para gastar.

Mas uma discussão diferente ocorre se a atividade econômica parar completamente: como impedir que pequenas empresas quebrem, como impedir que proprietários de imóveis ou empresas que perdem renda a darem calote em suas dívidas e como impedir que trabalhadores sem proteção contra ausências por questões de saúde acabem entrando em bancarrota, ou passando fome ou ficando sem moradia.

“Existem muitos cenários que podem surgir”, dependendo da propagação da doença, sua intensidade e a resposta da saúde pública, disse a presidente do Fed de Cleveland, Loretta Mester, na conferência de economia do Shadow Open Market Committee em Nova York na sexta-feira.

O presidente do Fed de Chicago, Charles Evans, disse que a resposta pode precisar ir além dos cortes nas taxas para se concentrar em como conseguir dinheiro nas mãos das pessoas “que mais precisam”.

Essa é uma medida que viria do Congresso dos EUA e do governo Trump, não do Fed.

As alternativas de políticas “não são tão claras. Nós simplesmente não sabemos qual é a situação, a que estamos respondendo”, disse Evans. “As ferramentas mais eficazes seriam colocar algum tipo de liquidez nas mãos das pessoas que mais precisam.”

O Fed poderia trabalhar com bancos para incentivar a postergação de cobranças de empréstimos para famílias ou empresas que não podem efetuar pagamentos. A dívida corporativa aumentou cerca de 80% na última década, para 6,5 trilhões de dólares.

O presidente do Fed de Dallas, Robert Kaplan, observou que, se as empresas tiverem problemas para fazer o pagamento da dívida, isso poderá transformar uma queda modesta na economia em uma desaceleração mais profunda se começar a prejudicar a saúde financeira dos credores.

Funcionários do Departamento do Tesouro dizem que estão considerando uma possível ajuda a pequenas empresas ou assistência a trabalhadores sem licença médica ou com risco de perder renda, preenchendo lacunas que provavelmente serão reveladas se a crise do coronavírus aumentar.

Qualquer programa seria “oportuno e direcionado para onde faria o melhor”, em vez de envolver uma resposta fiscal federal maciça, disse na sexta-feira Larry Kudlow, principal assessor econômico da Casa Branca.

O que está ficando claro é que uma crise que leva as pessoas para dentro de casa e para longe de empregos, lojas e eventos públicos, não será compensada por “opções monetárias e fiscais convencionais”, escreveu o economista da Oxford Economics Adam Slater.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below