March 13, 2020 / 8:03 PM / 3 months ago

Perdas da soja do RS podem alcançar 50% e pedidos de seguro devem disparar, diz Farsul

SÃO PAULO (Reuters) - A safra de soja do Rio Grande do Sul pode registrar perdas de até 50% na temporada de 2019/20 em função da forte estiagem que tem atingido o Estado desde de dezembro, estimou a Federação da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul (Farsul).

Agrônomos checam plantio de soja em Cruz Alta (RS) 29/02/2008 REUTERS/Inaê Riveras

De acordo com o economista-chefe da federação, Antônio da Luz, a projeção inicial da Farsul para a colheita da oleaginosa gaúcha superava 19 milhões de toneladas.

“Agora, será um bom negócio se conseguirmos colher 10 milhões de toneladas de soja... Nas regiões norte e no centro do Estado, já há quem perdeu 50% da safra”, disse à Reuters.

Nesta semana, a Emater-RS revisou pela segunda vez a perspectiva de produção no ciclo de 2019/20 para baixo, agora estimando uma redução de 32% ante as projeções iniciais do Rio Grando do Sul, para 13,3 milhões de toneladas. [nL1N2B41HE]

Luz explicou que os 32% de prejuízos oficialmente reportados são irreversíveis e como as previsões climáticas indicam continuidade do tempo seco no Estado, a tendência é que este número aumente.

A confirmação destas estimativas deve vir no final de abril, quando os produtores gaúchos encerram seu período de colheita da oleaginosa.

Até esta sexta-feira, os trabalhos de colheita estavam em torno de 10% da área projetado, conforme levantamento da consultoria Arc Mercosul. [nL1N2B61RM]

O economista da Farsul ainda acredita que as perdas do Estado podem impedir que o Brasil registre uma nova safra recorde em 2019/20, visto que o Rio Grande do Sul é o terceiro maior produtor nacional da oleaginosa.

Nesta semana, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) projetou a colheita do Brasil em mais de 124 milhões de toneladas de soja.[nE6N23400D]

A seca também afetou a produção gaúcha de milho, que, segundo Luz, deve recuar cerca de 26,2% em 2019/20.

SEGURO RURAL VAI AVANÇAR

Até o dia 3 de março, quase dez mil produtores de soja e milho haviam comunicado perdas em suas respectivas lavouras cultivadas no Rio Grande do Sul, segundo levantamento da Secretaria de Política Agrícola (SPA) do Ministério da Agricultura.

O diretor do departamento de Gestão de Riscos da SPA, Pedro Loyola, disse que esses comunicados foram enviados pelos agricultores aos bancos e seguradoras, e a colheita fica suspensa nas regiões afetadas até que os agentes enviem técnicos para mensurar o tamanho dos danos.

“Esses dez mil comunicados devem ser convertidos em indenizações por seguro rural”, acrescentou o economista da Farsul.

Segundo Luz, em anos tradicionais, este número “que tende a crescer exponencialmente” não chegava a uma centena. “Estar na casa do milhar significa quase uma situação de catástrofe”, avaliou.

O Rio Grande do Sul vinha mantendo condições favoráveis para o cultivo de grãos nas safras anteriores e, de acordo com Luz, o último ano em que foram registrados danos nesta magnitude foi 2012.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below