March 23, 2020 / 1:05 PM / 2 months ago

Injeção de liquidez de R$1,2 tri por BC é histórica e garante tranquilidade na crise, diz Campos Neto

BRASÍLIA (Reuters) - O Banco Central tem grande arsenal para fazer frente a qualquer tipo de crise, afirmou nesta segunda-feira o presidente da autarquia, Roberto Campos Neto, após a divulgação de medidas e ações em estudo que, juntas, implicam uma injeção de liquidez potencial de 1,2 trilhão de reais no sistema financeiro nacional.

Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, durante conferência de imprensa em Brasília 09/01/2020 REUTERS/Adriano Machado

Em entrevista coletiva virtual, Campos Neto defendeu que o sistema financeiro brasileiro é sólido e está bem capitalizado, habilitado para “funcionar perfeitamente”. Ele disse ainda que o BC “está absolutamente tranquilo” e disponível para prover o incentivo que for necessário.

“A gente está falando mais ou menos de 16,7% do PIB (Produto Interno Bruto), comparando com o que foi feito em 2008, que foi 3,5% do PIB”, disse Campos Neto, ao falar sobre as medidas para injeção de liquidez.

“O que nós estamos querendo passar é que nós temos uma ampla capacidade de atuação. O que já foi feito e o que está sendo anunciado hoje representa o maior plano de injeção de liquidez da história do país.”

Mais da metade do montante vem de uma medida ainda em fase de elaboração final: a concessão de empréstimos pelo BC a bancos com lastro em letras financeiras garantidas por operações de crédito. Só com a investida, Campos Neto previu uma liberação de 670 bilhões de reais.

Na prática, a ideia é que os bancos ganhem aval para empacotar suas carteiras de crédito e emitir letras financeiras em cima desses ativos. O BC, então, emprestará recursos a essas instituições tomando as letras financeiras como garantia.

“É basicamente você pegar a carteira de crédito que o banco tem, securitizar em formato de letra financeira, e passar a financiar isso”, disse Campos Neto.

“Essa é uma forma de dar liquidez em troca de uma carteira de dívida privada que vai fazer com que o banco tenha recursos para fazer mais dívida. Então a gente entende que o direcionamento vai chegar nas empresas”, completou.

O presidente do BC avaliou que a crise desta vez vem da economia real, diferentemente da de 2008, que decorreu de grande alavancagem financeira, gerando uma percepção de que os bancos como um todo tinham problemas.

Desta vez, a turbulência econômica desencadeada pelo coronavírus é “totalmente diferente”, sem problemas identificados nos balanços das instituições, frisou.

A necessidade de liquidez, de acordo com o presidente do BC, se dá para garantir o provimento de fluxo de caixa às empresas para que atravessem o período de isolamento imposto para frear a disseminação do vírus.

Campos Neto argumentou que essa nova dinâmica de distanciamento social quebrará cadeias produtivas e impactará fortemente o setor de serviços, que representa 63% do PIB brasileiro. Por isso, o BC também está estudando medidas para assegurar o direcionamento do crédito para pequenas e médias empresas, partindo do pressuposto de que elas sofrerão mais.

Novas liberações de compulsórios também estão na mesa, pontuou ele.

Mais cedo nesta segunda-feira, o BC anunciou a redução temporária da alíquota do compulsório sobre recursos a prazo de 25% para 17%, com liberação de 68 bilhões de reais extras na economia.

Em 20 de fevereiro, o BC já havia anunciado uma redução do recolhimento compulsório dos bancos sobre depósitos a prazo e um ajuste em regra de exigência de liquidez das instituições que juntos abriram caminho para liberação de 135 bilhões de reais.

DÍVIDA DE EMPRESAS

Após o Federal Reserve, BC norte-americano, ter anunciado nesta segunda-feira que começará a respaldar uma gama de créditos sem precedentes para famílias, pequenas empresas e grandes empregadores, Campos Neto afirmou que o BC “não tem operacional” para ir pelo mesmo caminho, comprando diretamente as dívidas de empresas.

No entanto, ele pontuou que, com as medidas já anunciadas e outras que estão sendo estudadas, o Brasil está tomando ações que têm “efeito muito parecido”.

Além dos empréstimos do BC a bancos com lastro em letras financeiras, ele citou nesse sentido a autorização já feita pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) nesta segunda-feira para que o BC conceda empréstimos a bancos com garantia em debêntures, buscando prover liquidez ao mercado secundário de dívida corporativa.

“O banco vai ter liquidez para fazer mais empréstimos privados, então chega nas empresas”, disse.

Segundo o presidente do BC, a medida envolvendo debêntures veio após um problema de liquidez ser identificado nesse mercado, já que, em meio a pedidos de resgate em fundos de títulos de dívida privada, os gestores não estavam conseguindo vender na velocidade adequada.

Campos Neto afirmou que o volume de debêntures que precisava ser vendido para equacionar a questão era da ordem de 20 bilhões de reais e que o programa do BC é de 90 bilhões de reais, sendo suficiente, portanto, para resolver esse descompasso.

Nesta manhã, o BC também anunciou a autorização para que instituições financeiras possam captar por meio de depósitos a prazo com garantia especial do Fundo Garantidor de Crédito (FGC).

Sobre o câmbio, Campos Neto ressaltou durante a coletiva que a moeda é flutuante, mas que a autoridade monetária também tem arsenal grande nessa área do qual pode lançar mão se entender necessário.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below