April 1, 2020 / 5:36 PM / 2 months ago

Economia mundial pode contrair 11% no 1º semestre de 2020, diz diretor executivo da BlackRock

DUBAI (Reuters) - O diretor executivo da BlackRock, Amer Bisat, afirmou nesta quarta-feira que a economia mundial pode contrair 11% no primeiro semestre de 2020 e perder 6 trilhões de dólares em termos de produção econômica devido à pandemia do coronavírus.

Entrada de edifício da BlackRock em Nova York, EUA 16/07/2018 REUTERS/Lucas Jackson

“Para colocar isso em contexto, será pior do que a contração que vimos em 2008, será pior do que aquela que as pessoas estimam que aconteceu durante a gripe espanhola (1918)”, disse Bisat.

“Não será tão ruim quanto a Depressão Global (de 1930), que é uma contração significativamente pior, mas certamente será o segundo pior choque econômico que já vimos em todo o mundo.”

A BlackRock é a maior gestora de ativos do mundo.

Em uma visão conservadora, 5 milhões de empregos podem ser perdidos entre os meses de janeiro a junho, afirmou Bisat em um painel virtual moderado pelo Carnegie Middle East Center. A situação parece ainda pior quando se considera o subemprego, as horas reduzidas e os salários reduzidos, acrescentou.

Questionado se a reação econômica até agora foi proporcional ao choque, Bisat disse: “Politicamente, a resposta é, categoricamente, não”.

Mas ele elogiou as medidas econômicas tomadas pelos governos e bancos centrais.

“Apenas a quantidade anunciada de estímulo fiscal que foi lançada globalmente contra o problema entre fevereiro e março... é de 5 trilhões de dólares em insumos fiscais que serão lançados à economia global pelos próximos seis meses, provavelmente.”

“A isso, você adiciona 65 episódios de cortes nas taxas de juros, e você tem 20 países que já anunciaram alguma forma de afrouxamento quantitativo. Como você traduz tudo isso em estímulo?”, disse Bisat. “É complicado, mas a realidade é que isso é sem precedentes”.

RECUPERAÇÃO

Bisat comparou o choque econômico da pandemia a um desastre natural, o qual, segundo ele, normalmente “leva a uma forte recuperação depois”.

No entanto, a recuperação ao impacto do coronavírus “provavelmente não será tão agressiva”, em razão da incerteza em torno do momento no qual o choque terminará, assim como a possibilidade de o vírus ressurgir e a sua natureza global.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below