April 6, 2020 / 5:10 PM / 4 months ago

Déficit recorde por coronavírus não é ameaça a perspectiva "estável" do Brasil, diz Moody´s

BRASÍLIA (Reuters) - O Brasil registrará um déficit orçamentário primário recorde de 4,5% do Produto Interno Bruto este ano, prevê a agência de classificação de risco Moody’s, mas os gastos de emergência desencadeados pelo coronavírus não comprometerão a perspectiva ‘estável’ do país.

Logo da Moody's nos escritórios da empresa em Nova York, EUA 02/08/2011 REUTERS/Mike Segar

Embora o déficit nominal deva chegar a 9,5% do PIB e a dívida em 85% do PIB este ano, a economia começará a se recuperar no segundo semestre, disse a Moody’s, permitindo que o governo volte a colocar a área fiscal em ordem.

“Como esperamos que a atividade econômica seja retomada no segundo semestre do ano, também esperamos que o governo retome seu caminho de consolidação fiscal em 2021”, disse à Reuters Samar Maziad, vice-presidente da Moody’s e principal analista dos ratings soberanos do Brasil.

“Mantemos uma perspectiva estável do rating soberano do Brasil, porque esperamos que a deterioração nas métricas fiscais e de dívida seja temporária e limitada a 2020 devido ao choque”, disse ela.

A Moody’s tem um rating de crédito soberano ‘Ba2’ para o Brasil desde fevereiro de 2016 e uma perspectiva ‘estável’ desde abril de 2018. Assim como as outras duas principais agências de classificação de risco, a S&P Global e a Fitch, a classificação é ´junk´, de não investimento.

Maziad não quis elaborar sobre se a queda econômica e fiscal do Brasil levará a um rebaixamento dos ratings, apontando que o choque do Covid-19 está levando a “implicações negativas de crédito” e “métricas fiscais mais fracas” em todo o mundo.

Autoridades do Ministério da Economia disseram que todos os gastos do governo relacionados à mitigação dos danos causados ​​pelo surto de coronavírus se aplicarão apenas a este ano. A partir do próximo ano, o esforço para reduzir o déficit, a dívida e o tamanho do setor público será retomado com seriedade.

A Moody’s prevê que a economia brasileira encolherá 1,6% ao longo do ano, uma perspectiva mais sombria do que as previsões do governo e do banco central, de crescimento zero, mas muito mais otimista do que muitas projeções do setor privado de queda de 3% ou mais.

Os gastos diretos do governo relacionados a proteger a economia e a população do Brasil diante dos efeitos da crise do coronavírus provavelmente chegarão a 4% ou 5% do PIB, uma parcela “considerável” em comparação com outros países da região, afirmou Maziad.

A previsão de déficit primário de 4,5% do PIB é inferior à projeção mais recente do governo de 5,5% do PIB, ou 419 bilhões de reais. Mas Maziad espera que o déficit geral atinja 9,5% do PIB.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below