April 17, 2020 / 1:56 PM / a month ago

Cosan não vê impactos de coronavírus em açúcar, mas sofre em combustíveis

RIO DE JANEIRO (Reuters) - As vendas de açúcar da Raízen Energia na safra 2020/21 não sofreram impactos relevantes da crise do coronavírus, uma vez que foram feitas antes de a epidemia se alastrar, disse nesta sexta-feira a Cosan, que sofreu, por outro lado, efeitos da queda na demanda por combustíveis.

Logo da Cosan é exibido em uma tela no piso da bolsa de valores B3 em São Paulo 31/07/2019 REUTERS/Amanda Perobelli

Joint venture da Cosan com a petroleira Shell, a Raízen é a maior produtora global do adoçante, além de ser o maior player de etanol de cana. A empresa também tem uma unidade de distribuição de combustíveis, que está entre as principais do Brasil.

“No açúcar, as vendas já haviam sido contratadas para a safra 2020/21 que acaba de iniciar, não tendo apresentando impactos relevantes na sua programação de comercialização”, afirmou o grupo em nota ao mercado.

Já no etanol, a companhia viu uma redução nas vendas, em linha com a menor demanda por combustíveis, pontuou a Cosan.

A companhia apresentou um levantamento dos impactos do coronavírus desde o início das medidas de isolamento social, há aproximadamente quatro semanas, em comparação com o mesmo período do ano anterior.

As vendas da Raízen Combustíveis no ciclo otto (gasolina e etanol) chegaram a cair 50%, enquanto no diesel a retração foi de 25%, afirmou a Cosan.

“Já no segmento de aviação, a demanda segue impactada pela redução das malhas operadas por seus principais clientes, chegando a cair até 80%.”

Outra empresa do grupo Cosan, a Comgás já observou uma redução na demanda por gás natural no segmento industrial de até 40%, concentrada em alguns setores da indústria que suspenderam ou reduziram suas atividades.

No segmento comercial, a demanda por gás vem apresentando retração de até 60%, enquanto no segmento residencial observa-se expansão da demanda em cerca de 10% em função da restrição da circulação dos indivíduos.

No caso da Moove, a empresa viu uma redução média da demanda por lubrificantes de cerca de 50% nas últimas semanas, no Brasil e nos demais países de atuação.

“Cabe reiterar que se tratam de indicativos preliminares, que tem apresentado evolução diária, à medida que o cenário de isolamento se altera, estando ainda sujeitos a alterações em função da evolução da pandemia nas próximas semanas.

A Cosan ressaltou ainda que tem adotado cautela em suas ações e tomado as medidas necessárias para garantir a preservação da saúde, integridade e segurança de seus colaboradores, garantindo a continuidade de suas operações essenciais.

Por Marta Nogueira

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below