April 29, 2020 / 1:00 PM / a month ago

Coronavírus massacra economia dos EUA no 1° trimestre; pior ainda está por vir

WASHINGTON (Reuters) - A economia dos Estados Unidos contraiu no primeiro trimestre a seu ritmo mais acentuado desde a Grande Recessão, uma vez que medidas rigorosas para retardar a propagação do novo coronavírus quase interromperam a atividade no país, encerrando a mais longa expansão da história norte-americana.

28/04/2020 Marinha dos EUA/Brendan Fitzgerald via REUTERS

O declínio refletiu a queda na atividade econômica nas últimas duas semanas de março, em que milhões de norte-americanos buscaram auxílio-desemprego. Os dados reforçam as previsões dos analistas de que a economia já está em recessão profunda.

“A economia continuará caindo até que o país volte a abrir”, disse Chris Rupkey, economista-chefe do MUFG. “Se a economia recuou tanto no primeiro trimestre, com menos de um mês de bloqueio pandêmico para a maioria dos Estados, não pergunte até que ponto a cratera chegará no segundo trimestre.”

O Departamento de Comércio dos EUA disse que o Produto Interno Bruto caiu a uma taxa anualizada de 4,8% no primeiro trimestre, pressionado por fortes quedas nos gastos dos consumidores e nos estoques das empresas. Esse foi o maior ritmo de contração do PIB desde o quarto trimestre de 2008. O declínio do investimento por parte das empresas foi outro fator importante na crise do último trimestre, ajudando a ofuscar as notícias positivas de uma conta de importação menor, do mercado imobiliário e de mais gastos do governo.

Economistas em pesquisa da Reuters esperavam uma contração do PIB de 4%, embora as estimativas tenham chegado a uma queda de 15%. A economia expandiu a uma taxa de 2,1% no quarto trimestre.

A Agência de Análises Econômicas (BEA, na sigla em inglês) do Departamento de Comércio disse que não é possível quantificar os efeitos totais da pandemia, mas que o vírus contribuiu parcialmente para o declínio do PIB no primeiro trimestre.

A BEA afirmou que as ordens de isolamento em março “levaram a rápidas mudanças na demanda, pois empresas e escolas mudaram para trabalho remoto ou tiveram operações canceladas, e os consumidores cortaram, restringiram ou redirecionaram seus gastos.”

Muitas fábricas e empresas não essenciais, como restaurantes e outros locais sociais, foram fechados ou tiveram operação reduzida em meio a bloqueios em todo o país para controlar a propagação do Covid-19, a doença respiratória causada pelo vírus. A forte contração do PIB, juntamente com o recorde de desemprego, pode pressionar os Estados e os governos locais a reabrirem suas economias.

Também pode significar mais problemas para o presidente Donald Trump, após críticas à lenta resposta inicial da Casa Branca à pandemia, no momento em que ele busca a reeleição em novembro. As infecções confirmadas pelo Covid-19 nos EUA superaram um milhão, de acordo com uma contagem da Universidade Johns Hopkins.

COLAPSOS DE GASTOS DO CONSUMIDOR

Os economistas não acreditam que a reabertura das economias regionais, como alguns Estados estão fazendo agora, fará com que economia mais ampla retorne rapidamente a níveis pré-pandêmicos, o que, segundo eles, levará anos. A reabertura da economia também envolve o risco de uma segunda onda de infecções e outros bloqueios.

Os economistas esperam uma contração ainda mais acentuada do PIB no segundo trimestre e acreditam que a economia entrou em recessão na segunda quinzena de março, quando as medidas de distanciamento social entraram em vigor.

A Agência Nacional de Pesquisa Econômica, o instituto de pesquisa privado considerado árbitro das recessões norte-americanas, não define recessão como dois trimestres consecutivos de declínio no PIB real, como é a regra geral em muitos países. Em vez disso, procura uma queda na atividade espalhada pela economia e que dure mais de alguns meses.

Os gastos do consumidor, que representam mais de dois terços da atividade econômica dos EUA, caíram 7,6% no primeiro trimestre, a queda mais acentuada desde o quarto trimestre de 1980, à medida que a demanda por bens e serviços despencou. Os gastos do consumidor cresceram 1,8% no período de outubro a dezembro.

Os outros componentes do PIB foram igualmente fracos no último trimestre.

Enquanto as queda das importações ajudaram a reduzir o déficit comercial e contribuíram com 1,30 ponto percentual ao PIB no último trimestre, isso significa que nenhum estoque foi acumulado. Os estoques diminuíram a uma taxa de 16,3 bilhões de dólares no primeiro trimestre, depois de aumentar a um ritmo de 13,1 bilhões de dólares no quarto trimestre.

A maioria dos economistas rejeitou a ideia de uma recuperação rápida e acentuada, ou recuperação em forma de V, argumentando que muitas pequenas empresas desaparecerão. Eles também previram que algumas das cerca de 26,5 milhões de pessoas que solicitaram auxílio-desemprego desde meados de março provavelmente não encontrarão emprego.

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 56447723))

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below