April 29, 2020 / 2:56 PM / 2 months ago

Chefe do FMI diz que estímulos contra pandemia devem se concentrar em combater crise do clima

WASHINGTON (Reuters) - As numerosas medidas de estímulo fiscal adotadas por governos de todo o mundo para combater a pandemia do novo coronavírus devem ser adaptadas para combater as mudanças climáticas ao mesmo tempo, disse a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional, Kristalina Georgieva, nesta quarta-feira.

Kristalina Georgieva 05/02/2020 REUTERS/Remo Casilli

Falando em uma cúpula virtual conhecida como Diálogo Climático de Petersberg, Georgieva se juntou à chanceler alemã, Angela Merkel, e ao secretário-geral da ONU, António Guterres, pedindo esforços concentrados para promover uma “recuperação verde” da crise da pandemia.

“Tomar medidas agora para combater a crise climática não é apenas um ‘prazer’. É um ‘dever’ se quisermos deixar um mundo melhor para nossos filhos”, disse a líder do FMI na cúpula.

“O que fazemos agora não apenas reformulará nossas economias e sociedades; também reformulará o futuro da humanidade neste planeta”, disse. “Uma ‘recuperação verde’ é a nossa ponte para um futuro mais resiliente.”

Para garantir que o estímulo fiscal aborde os riscos das mudanças climáticas, ela disse que os governos devem tornar os resgates financeiros das empresas intensivas em carbono dependentes de compromissos quanto à redução de emissões de carbono. Isso foi feito durante a crise financeira global, quando algumas montadoras se comprometeram com padrões mais altos de eficiência de combustível.

Georgieva pediu aos governos que concentrem os gastos fiscais na promoção de tecnologias verdes, transporte limpo, agricultura sustentável e resiliência climática.

“Com os preços do petróleo em níveis recorde, agora é a hora de eliminar subsídios prejudiciais”, disse Georgieva, citando a estimativa do FMI de que uma transição de baixo carbono exigirá 2,3 trilhões de dólares em investimentos todos os anos durante uma década.

Ela também pediu aos governos que promovam finanças verdes, concentrando-se em títulos verdes e outras formas de financiamento sustentável, e obrigando as empresas financeiras a divulgar melhor os riscos climáticos em suas carteiras de empréstimos e investimentos.

O aumento do custo do carbono ajudará a gerar receitas para aumentar as receitas públicas no futuro, disse ela.

“É necessário um custo de carbono substancialmente mais alto para incentivar investimentos inteligentes em termos de clima e acelerar a mudança para combustíveis mais limpos e com maior eficiência energética”, disse Georgieva.

O FMI estima que o preço global do carbono subirá para 75 dólares por tonelada, contra 2 dólares por tonelada atualmente para manter o aquecimento global abaixo de 2 graus Celsius.

(Reportagem de Andrea Shalal)

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 5644 7729))

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below