May 4, 2020 / 9:09 PM / 22 days ago

Fecombustíveis pede a Bolsonaro que não aumente impostos da gasolina

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Fecombustíveis, federação que representa postos de combustíveis no Brasil, enviou ofício ao presidente Jair Bolsonaro nesta segunda-feira pedindo que o governo não eleve a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) da gasolina e nem crie uma taxa de importação para o combustível.

Preços em posto de combustíveis no Rio de Janeiro (RJ) 09/03/2020 REUTERS/Ricardo Moraes

A manifestação vem após pedidos do setor sucroenergético para aumento da Cide na gasolina, como forma de ajuda ao segmento em meio aos impactos do coronavírus na economia do país e no preço do combustível.

“Não seria justo aumentar os impostos de todos os consumidores do país, quando seria muito mais prático zerar o PIS/Cofins do etanol, mesmo que temporariamente durante a pandemia”, disse a Fecombustíveis, no ofício enviado à Presidência e compartilhado com a imprensa.

O setor sucroenergético também pediu redução do PIS/Cofins no etanol

A Fecombustíveis citou notícias veiculadas recentemente de que o Ministério da Economia deveria elevar a Cide da gasolina de 10 para 30 centavos por litro e impor um imposto de importação de 15% sobre o combustível fóssil.

“Isso vem no sentido oposto aos compromissos assumidos na campanha presidencial”, disse a Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e Lubrificantes (Fecombustíveis), que representa cerca de 42 mil postos revendedores de combustíveis que atuam em todo o território nacional.

O setor sucroenergético, no entanto, não encaminhou ao Ministério da Economia pedido para tributar a importação da gasolina, segundo a Unica, entidade que representa as usinas de cana.

O aumento, segundo a federação, viria ainda “em um momento completamente inoportuno para revenda de combustíveis, que também está em crise, com uma queda vertiginosa nas vendas, entre 50% e 75%, em média Brasil”.

O ofício diz ainda que as novas cobranças também prejudicariam os demais elos da cadeia de combustíveis, inclusive a Petrobras, que já se manifestou contra as eventuais novas cobranças.

Procurado nesta segunda-feira, o Ministério da Economia reiterou posicionamento anterior e afirmou que não comenta medidas em análise ou que ainda não são públicas.

“O grupo de monitoramento da crise econômica relacionada ao Covid-19 está analisando diversas alternativas para reduzir os impactos da pandemia para o setor produtivo e para o setor público em suas diversas esferas, com o objetivo de preservar especialmente a população mais vulnerável”, reafirmou a pasta.

Por Marta Nogueira

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below