May 6, 2020 / 3:22 PM / in a month

Ibovespa recua com bancos e Petrobras entre maiores pressões; ecommerce sobe

SÃO PAULO (Reuters) - O tom negativo passava a prevalecer na bolsa paulista nesta quarta-feira, com bancos e Petrobras entre as maiores pressões de baixa do Ibovespa, enquanto papéis de varejistas com forte atuação no comércio eletrônico resistiam no campo positivo.

Vista externa da B3, a bolsa de valores de São Paulo 26/02/2020 REUTERS/Rahel Patrasso

Às 12:16, o Ibovespa caía 1,11%, a 78.587,94 pontos. O volume financeiro somava 8,2 bilhões de reais.

Na visão de profissionais ouvidos pela Reuters, a bolsa no Brasil acompanhou o enfraquecimento dos pregões em Wall Street, mas teve o movimento ampliado pelo cenário doméstico mais complicado, principalmente a questão fiscal.

Na véspera, a Fitch cortou para “negativa” a perspectiva do rating do Brasil, avaliando que a deterioração econômica e fiscal e ruídos políticos podem afetar a capacidade do governo de ajustar as contas públicas e de implementar reformas econômicas após a pandemia.

No mesmo dia, a Câmara dos Deputados aprovou o projeto de auxílio a Estados e municípios, com repasses de 60 bilhões de reais e suspensão de dívidas que elevam o impacto total a aproximadamente 120 bilhões de reais.

Enquanto também analisam resultados corporativos, investidores aguardam decisão de política monetária do Banco Central, prevista para o final do dia, quando a Selic deve ser reduzida em 0,5 ponto, para 3,25% ao ano.

Em Wall Street, o S&P 500 subia 0,11%, com os mercados externos ainda apoiados nas perspectivas de retomada da atividade econômica, com várias regiões aliviando medidas de restrições adotadas contra a disseminação do Covid-19.

Para a equipe do BTG Pactual, o momento ainda é de muita cautela e incertezas no Brasil, onde veem a expectativa de crescimento nos próximos anos se reduzindo a cada dia, enquanto avaliam que a saída da quarentena deverá ser mais lenta e mais longa do que o esperado.

“Fica a dúvida quanto o atual patamar de preços que está já precificando essa saída ou até uma recuperação”, observaram os analistas do BTG em nota a clientes enviada pela área de gestão do banco.

Nos comentários, o BTG cita ainda reuniões com vários investidores estrangeiros, onde ficou como percepção que eles só voltarão a investir de forma relevante no país quando enxergarem expansão crescente da economia e o andamento das reformas necessárias.

DESTAQUES

- ITAÚ UNIBANCO PN e BRADESCO PN cediam 3% e 2,8%, respectivamente, com o setor como um todo em baixa. Os dois bancos divulgaram recentemente aumento em suas provisões contra possíveis perdas com empréstimos em meio à crise desencadeada pelo Covid-19.

- PETROBRAS PN e PETROBRAS ON recuavam 2,1% e 2,5%, na esteira do declínio dos preços do petróleo no mercado externo, onde o Brent cedia cerca de 4%.

- GERDAU PN caía 2,6% após divulgar queda de cerca de 50% no lucro do primeiro trimestre e corte nos planos de investimentos para 2020. No setor de siderurgia e mineração, VALE ON subia 0,4% e CSN avançava 0,6%, enquanto USIMINAS PNA perdia 1,7%.

- CVC ON caía 3,3%, tendo de pano de fundo forte alta do dólar ante o real e o cenário ainda hostil para o setor de turismo em razão da pandemia.

- GOL PN recuava 1,95%, com números prévios de abril sobre o tráfego de passageiros mostrando queda de mais de 90% na demanda em abril, com redução da oferta no mesmo patamar, além da forte alta do dólar na sessão. AZUL PN cedia 2,6%.

- B2W ON disparava 13,8%, em sessão de alta do setor de varejo, após balanço do primeiro trimestre e sinais de aceleração de vendas em abril divulgados pelo Mercado Livre, que tem ações negociadas em Nova York. MAGAZINE LUIZA e VIA VAREJO avançavam 11,2% e 4,3%, respectivamente. MERCADO LIVRE saltava 21,7%.

- TIM recuava 0,3%, após figurar entre os destaques positivos, no primeiro pregão após a operadora de telecomunicações reportar na véspera lucro líquido 8,3% maior no primeiro trimestre em relação ao mesmo período do ano passado.

- TELEFÔNICA BRASIL PN mostrava acréscimo de 1,5%. A companhia reportou mais cedo queda de 14,1% no lucro líquido do primeiro trimestre, conforme maiores despesas com impostos e depreciação ofuscaram esforços para cortar custos e a melhora do desempenho operacional.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below