May 6, 2020 / 10:07 PM / a month ago

BC faz corte mais profundo na Selic e indica nova redução

SÃO PAULO/BRASÍLIA (Reuters) - O Banco Central cortou nesta quarta-feira a taxa básica de juros à mínima histórica de 3% ao ano —redução de 0,75 ponto percentual, mais forte do que a prevista pelo consenso de mercado— e sinalizou uma última diminuição à frente, não maior do que a atual, para complementar o estímulo monetário necessário em meio aos impactos da pandemia de coronavírus na economia.

Fachada do edifício do Banco Central é vista em Brasília. 16/05/2017. REUTERS/Ueslei Marcelino.

Veja comentários de profissionais do mercado financeiro sobre a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom):

JOÃO MAURÍCIO ROSAL, ECONOMISTA-CHEFE, GUIDE INVESTIMENTOS

“Essa decisão vai trazer pressão sobre o dólar, especialmente numa situação em que a taxa Selic tem pouco impacto agora sobre condições de crédito, que está emperrado. E vai adicionar componente de risco na curva de juros. Acelerar o corte não vai ter impacto maior no sentido de mitigar os efeitos negativos da crise sobre a economia real. De qualquer forma, acho difícil tomar a valor de face essa sinalização do BC de que teremos apenas mais um corte. A situação da atividade está crítica, e o cenário para a inflação está mais benigno que o esperado. O BC terá de rever essa sinalização de fim de ciclo. Como um todo, acho contraditório o discurso do BC agora vis-à-vis o discurso anterior sobre importarem mais as condições financeiras. Mantemos estimativa de Selic a 1,75% ao fim do ano, mas alteramos a sequência de cortes para 50/50/25 (pontos-base) em vez de 50/50/50.”

THOMAZ SARQUIS, ECONOMISTA, ELEVEN FINANCIAL RESEARCH

“O BC disse ‘Primeiro sinaliza o fiscal, depois a gente vê se tem espaço para, de fato, continuar cortando’. Esse foi, para mim, o maior destaque desse comunicado. Se temos um fiscal muito deteriorado, a tendência é que nossa dívida suba. Se o juro que remunera essa dívida é muito baixo, o apetite dos investidores para comprar título de dívida de um país com fiscal extremamente deteriorado fica muito baixo. E aí o risco é que haja fuga de capital, o risco é que haja depreciação cambial, e Banco Central não quer isso. De certa forma, ele colocou um teto para mais corte, de 75 pontos-base, podendo levar a Selic a 2,25% a.a., o que é muito além do que estava precificado.”

MAURICIO ORENG, SUPERINTENDENTE DE PESQUISAS MACROECONÔMICAS, SANTANDER BRASIL

“A decisão do BC hoje mostrou que a instituição se guiou mais por fatores de curto prazo —sobretudo choque de demanda— do que por elementos estruturais, como a questão fiscal. De forma geral, achamos que a escolha (por um corte de 75 pontos-base) foi correta. Com as ponderações feitas, o Copom ganha tempo para observar e avaliar a próxima decisão nesse ambiente de incerteza muito grande.”

ÉTORE SANCHEZ, ECONOMISTA-CHEFE, ATIVA INVESTIMENTOS

“Os indicadores de alta frequência mostraram uma evolução desastrosa da atividade, e por isso esperávamos esse corte de 75 pontos-base. Acho que virá novo corte de 50 pontos-base em junho, tendo como cenário-base que um alívio nas restrições de mobilidade social e de atividade de empresas possa começar a ser percebido nos indicadores econômicos de junho. No mercado, os juros futuros deverão começar a precificar corte entre 50 pontos-base e 75 pontos-base para a próxima reunião, e a Selic projetada pelo DI janeiro 2021 deverá ficar em torno de 2,50% ou um pouco menos. O dólar pode ter uma pressão na abertura, mas vejo os mercados digerindo a decisão ao longo do dia e a moeda fechando longe das máximas.”

DAN KAWA, SÓCIO, TAG INVESTIMENTOS

“BCB cortou Selic para 3% e sinalizou novo corte. [...] Acho um erro de política monetária. Não acho que o Brasil tem fundamento de longo prazo para ter essa Selic. Bancos não vão emprestar mais e nem a uma taxa menor.”

MARCOS MOLLICA, GESTOR, OPPORTUNITY

“BC finalmente acordando para o cenário. Cortou 75 pontos-base e manteve a porta aberta para um corte adicional, provavelmente da mesma magnitude.”

PABLO SPYER, DIRETOR DE OPERAÇÕES, MIRAE ASSET

“Devemos ter mais um corte na reunião que vem. O Banco Central deixou claro que considera um último ajuste na reunião que vem, e o corte de hoje foi maior que aquele que a maioria esperava. Acho que há uma aposta implícita do BC de que vai ser possível andar com as reformas. Eu não acredito que se o BC achasse que está muito difícil avançar com as reformas faria um movimento tão agressivo quanto esse. De toda forma, mudei agora a projeção de corte para 25 pontos-base na próxima reunião, de 50 pontos-base antes.”

Por José de Castro e Gabriel Ponte

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below