May 11, 2020 / 5:54 PM / 2 months ago

Novo corte na produção saudita de petróleo visa acelerar reequilíbrio, diz ministro

DUBAI (Reuters) - O aumento dos cortes de produção de petróleo da Arábia Saudita em junho foi projetado para acelerar a drenagem do excesso de oferta global e para que o mercado da commodity se reequilibre, disse o ministro de Energia do país à Reuters.

Príncipe Abdulaziz bin Salman, ministro de Energia da Arábia Saudita 10/04/2020 Saudi Energy Ministry/Divulgação via REUTERS

Na manhã desta segunda-feira, a Arábia Saudita surpreendeu ao anunciar que vai aprofundar de forma voluntária seus cortes de bombeamento em 1 milhão de barris por dia a partir de junho.

O príncipe Abdulaziz bin Salman disse que a Arábia Saudita quer “se antecipar à curva”. Ele vê sinais de uma recuperação gradual na demanda, à medida que países agem para flexibilizar restrições impostas nos últimos meses para conter a disseminação da pandemia do coronavírus.

“Nós queremos acelerar o processo de volta ao normal... A demanda está se recuperando. Nós queremos garantir que estamos ajudando a acelerar o equilíbrio entre oferta e demanda”, disse ele à Reuters, em entrevista por telefone.

“Estamos tomando um papel proativo e encorajamos os outros a fazer o mesmo”, acrescentou o ministro.

Os baixos preços do petróleo estão pressionando o orçamento do reino e a demanda global permanece fraca por causa das quarentenas contra o coronavírus.

“Estamos fazendo de tudo para controlar nossa política fiscal, incluindo sermos prudentes para acomodar essa situação, e estamos tentando agir para a estabilização do mercado”, disse o príncipe Abdulaziz.

Depois do anúncio dos sauditas, Emirados Árabes Unidos e Kuweit também prometeram cortes em suas produções.

Questionado sobre se os cortes mais profundos feitos pela Arábia Saudita continuarão depois de junho, o ministro se recusou a comentar, mas manteve um tom otimista quanto ao futuro do mercado.

“Se as coisas continuarem melhorando, como esperamos, recuaremos (nos cortes)”, disse ele.

O ministro ainda disse que ficaria “mais do que surpreso” se, até a próxima reunião da Opep+, em junho, a situação não estiver melhor.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below