for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Deflação dos preços ao produtor na China se aprofunda em abril após pandemia afetar demanda

Funcionária altera preços de mercadorias em supermercado de Pequim, China 23/09/2019 REUTERS/Tingshu Wang

PEQUIM (Reuters) - Os preços ao produtor na China caíram pela taxa mais forte em quatro anos em abril, destacando o enfraquecimento da demanda industrial na segunda maior economia do mundo conforme o coronavírus afeta o crescimento global.

O índice de preços ao produtor recuou 3,1% em abril sobre o ano anterior, informou em comunicado nesta terça-feira a Agência Nacional de Estatísticas, contra queda de 2,6% esperada em pesquisa da Reuters e deflação de 1,5% em março.

A China está tentando se recuperar de sua primeira contração econômica na história durante o primeiro trimestre, quando a economia foi paralisada para conter a dissemninação do vírus que matou mais de 4.600 pessoas no país.

“O ritmo no qual os preços ao produtor estão caindo é mais rápido do que o mercado esperava, o que pede mais medidas contundentes para incentivar a demanda”, disse Wen Bin, economista sênior do Minsheng Bank.

A agência de estatísticas chinesa disse que a deflação dos preços ao produtor teve como principais influências o recuo do petróleo e das commodities.

Já o índice de preços ao consumidor subiu 3,3% em abril sobre o ano anterior, contra expectativa de aumento de 3,7% e alta de 4,3% em março.

A leitura deveu-se principalmente à desaceleração da alta dos preços dos alimentos, que haviam subido mais de 18% em março. Ainda assim, os preços de alimentação subiram 14,8% no mês passado, liderados pelo salto de 96,9% na carne suína.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up