for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Subir em cadáveres para arrancar recursos do governo é inaceitável, diz Guedes

Ministro da Economia, Paulo Guedes, fala em entrevista coletiva 16/03/2020 REUTERS/Adriano Machado

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta sexta-feira que é inaceitável que a crise por conta da pandemia com o coronavírus seja utilizada para palanque político ou para tirar recursos do governo, renovando o apelo para que seja vetado trecho de projeto que tira algumas categorias do funcionalismo de regra de congelamento salarial.

“Passamos um ano e meio tentando reconstruir. Quando estamos começando a decolar, somos atingidos por uma pandemia. E vamos nos aproveitar de um momento como esse, da maior gravidade, de uma crise de saúde, e vamos subir em cadáveres para fazer palanque?”, afirmou ele.

“Vamos subir em cadáveres para arrancar recursos do governo? Isso é inaceitável, a população não vai aceitar. A população vai punir quem usar cadáveres como palanque”, completou.

Guedes afirmou ser inaceitável que haja tentativa de saque de um gigante que está no chão, em referência à situação do país.

“Nós queremos saber o que podemos fazer, de sacrifício, para o Brasil nessa hora. E não o que o Brasil pode fazer por nós”, afirmou.

“E as medalhas são dadas após a guerra, não antes da guerra. Nossos heróis não são mercenários. Que história é essa de pedir aumento de salário porque um policial vai à rua exercer sua função? Ou porque um médico vai à rua exercer sua função? Se ele trabalhar mais, por causa do coronavírus, ótimo, ele recebe hora-extra”, completou.

Por Marcela Ayres e Gabriel Ponte

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up