June 2, 2020 / 3:08 PM / in a month

Comitê de credores da Argentina diz que sua proposta é sustentável e alerta para custo de default

03/09/2019. REUTERS/Agustin Marcarian

BUENOS AIRES (Reuters) - Um importante grupo de credores da Argentina disse nesta terça-feira que sua proposta de reestruturação está alinhada com uma avaliação do FMI sobre o que seria sustentável, e pediu que seja alcançado um acordo para evitar que o país fique preso em um default caro.

O Comitê de Credores da Argentina, um dos três grupos de detentores de títulos envolvidos em negociações para reformular a dívida externa de 65 bilhões de dólares do país, disse que sua proposta fornecerá 35 bilhões de dólares em títulos elegíveis e 70 bilhões de dólares em alívio geral da dívida externa.

A Argentina e seus credores trocaram contrapropostas para reestruturar a dívida, aproximando-se de um acordo, apesar de ambos os lados indicarem que ainda existe uma lacuna significativa a ser superada para que um pacto abrangente seja alcançado.

O grupo disse que sua proposta exigiria que a Argentina faça um “modesto esforço fiscal anual” de 0,2% do PIB. Os credores não deram mais detalhes da proposta.

“Chegar a um acordo nesses termos seria muito menos custoso para a economia argentina e seu povo do que permanecer no estado atual de inadimplência”, disse em comunicado o Comitê de Credores, que inclui a Greylock Capital, fundos mútuos, escritórios familiares, seguradoras e gestoras de ativos.

A Argentina refistrou seu nono default soberano após perder uma prorrogação do prazo para pagamento de juros de 22 de maio.

A produtora de grãos disse na segunda-feira que gostaria de “adoçar” a oferta anteriormente apresentada aos credores para reestruturação da dívida, apesar de haver apenas uma “pequena margem” para mudar a proposta.

O país estendeu até 12 de junho um prazo para os investidores aceitarem um acordo, com os principais grupos de credores lançando suas próprias contraofertas ao governo.

O Fundo Monetário Internacional apoiou a oferta da Argentina aos credores e alertou na segunda-feira que há pouco espaço para melhorar a oferta se o país quiser permanecer em um caminho sustentável de gestão da dívida.

Por Cassandra Garrison

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below