June 10, 2020 / 2:21 PM / a month ago

França eleva resposta à pandemia para 136 bi de euros

Ministro das Finanças da França, Bruno Le Maire (à esquerda), acompanhado pela porta-voz Sibeth Ndiaye e pelo ministro de Ações Públicas, Gerald Darmanin, em entrevista coletiva após reunião ministerial em Paris 10/06/2020 Ludovic Marin/Pool via REUTERS

PARIS (Reuters) - A França aumentou suas medidas de resposta ao coronavírus para quase 136 bilhões de euros nesta quarta-feira, elevando o custo para 5,6% do PIB em sua terceira revisão de orçamento até agora este ano.

O governo havia estabelecido o custo das medidas em 110 bilhões de euros em abril, mas desde então teve que fazer revisões para levar em conta a queda na receita tributária e os gastos extras, afirmou o país em sua atualização orçamentária.

Em meio a várias garantias de financiamento concedidas pelo Estado a empresas e instituições da UE, o ministro das Finanças francês, Bruno Le Maire, disse que o governo está mobilizando um total de 460 bilhões de euros, ou 20% do PIB.

“Essa resposta é perfeitamente comparável ao que outros países estão fazendo, incluindo a Alemanha”, disse Le Maire a parlamentares do comitê de finanças do Parlamento da Câmara.

O governo do presidente Emmanuel Macron agora espera que a segunda maior economia da zona do euro recue 11% este ano, o que o órgão fiscalizador independente da França descreveu nesta quarta-feira como “cauteloso”, apesar de ser a pior queda desde a Segunda Guerra Mundial.

O governo colocou a França sob um dos mais rigorosos bloqueios da Europa a partir de meados de março, fechando vastas áreas da economia, e só começou a suspender as restrições em 11 de maio.

As empresas colocaram mais de 13 milhões de trabalhadores em licença subsidiada pelo Estado, a um custo que o governo estabeleceu em 31 bilhões de euros no orçamento revisado, com dois terços apoiados pelo governo e o restante pelo seguro-desemprego.

O governo também adiou bilhões de euros em impostos e taxas sobre salários, e mobilizou 40 bilhões de euros em auxílios estatais, incentivos fiscais, empréstimos e garantias para os setores de turismo, automóveis, tecnologia e aeroespacial.

Com a receita tributária caindo rapidamente, o governo agora espera um déficit orçamentário do setor público sem precedentes de 11,4% da produção econômica este ano, revisado na semana passada ante 9,1% em abril.

Por Leigh Thomas e Myriam Rivet

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below