June 16, 2020 / 6:41 PM / 23 days ago

Ex-executiva processa Morgan Stanley por discriminação racial, diz documento

24/09/2013. REUTERS/Mike Blake

NOVA YORK (Reuters) - Uma ex-diretora de diversidade do Morgan Stanley processou o banco nesta terça-feira, alegando discriminação racial, retaliação e violação de leis sobre salários igualitários, segundo um documento judicial.

A requerente, Marilyn Booker, foi diretora administrativa do banco por 26 anos até ser demitida em dezembro, de acordo com o processo movido em um tribunal federal no Brooklyn. Booker disse que o banco eliminou sua posição depois que os executivos seniores ignoraram sua proposta de abordar o viés racial sistêmico contra consultores e estagiários de finanças negros.

O Morgan Stanley não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

O processo alega que o banco violou a Lei dos Direitos Civis e as leis estaduais de Nova York, bem como as leis federais e estaduais de remuneração igualitária para Booker e outras funcionárias negras do Morgan Stanley.

Contratada em 1994, Booker trabalhou para o banco como diretora de diversidade e, posteriormente, chefe de diversidade, bem como chefe do grupo de mercados urbanos, de acordo com seu perfil no LinkedIn.

Por Elizabeth Dilts Marshall

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below