for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Venda de soja do Brasil perde ritmo em junho, mas segue em nível recorde, diz Datagro

16/04/2013 REUTERS/Agustin Marcarian

SÃO PAULO (Reuters) - A comercialização de soja no Brasil perdeu ritmo em junho, mas o nível de vendas tanto para a safra atual quanto para a nova temporada segue recorde para esse período do ano, disse a consultoria Datagro em boletim nesta quinta-feira.

Na safra 2019/20, as vendas pelos produtores atingiram 91,2% da produção até 3 de julho, ou 111,29 milhões de toneladas, avanço de pouco mais de 3 pontos percentuais ante o último relatório, que cobria período até 5 de junho, e abaixo do padrão para o período, que seria aumento de quase 7 pontos.

Ainda assim, a comercialização segue recorde e está bem acima da última safra (74,4%) e da média histórica (76,3%), ressaltou a consultoria.

As vendas da safra nova (2020/21) alcançaram 36,2%, também um nível recorde, superior aos 18,2% de 2019 e muito acima da média de cinco anos de 13,9%.

“Em exercício estatístico com projeção de produção pela Datagro em 128,90 milhões de toneladas, o volume comercializado até o momento é de 46,63 milhões de toneladas”, apontou o boletim.

MILHO

A comercialização do milho de verão da safra 2019/20 no Centro-Sul do Brasil avançou em cinco pontos percentuais ante o último levantamento e atingiu 82% da produção até 3 de julho, acima dos 70% em 2019 e da média de 71,6%, segundo a Datagro.

Já o comprometimento da safra de inverno 2020 no Centro-Sul do país avançou para 65%, ante 61% no último mês.

Ainda assim, a comercialização está ligeiramente mais avançada do que a média dos últimos cinco anos (59%) e que no ano anterior (60%), embora abaixo do fluxo recorde de 2016, quando as vendas somavam 68% nesse período, segundo a consultoria.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up