for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Geadas se juntam à seca que castiga o cultivo de trigo na Argentina, diz bolsa

Área de cultivo de trigo em Azul, Argentina 30/09/2019 REUTERS/Agustin Marcarian

BUENOS AIRES (Reuters) - As fortes geadas registradas pela Argentina nos últimos dias se somaram à severa escassez de chuvas que afeta a safra 2020/21 de trigo do país, cujos rendimentos têm sido prejudicados pelos meses de clima adverso, disse nesta quinta-feira a Bolsa de Cereais de Buenos Aires (BCBA).

Segundo a entidade, o plantio do cereal foi concluído na semana passada, com uma área final de 6,5 milhões de hectares, levemente abaixo dos 6,8 milhões de hectares previstos inicialmente pela bolsa, que teve de ajustar a área devido à ausência de precipitações.

“No último fim de semana, foram registradas geadas de intensidades variadas, que atingiram praticamente toda a área agrícola nacional. Esses eventos tiveram quedas de temperatura a até -8ºC em alguns setores do centro, afetando áreas que já passavam por estágios críticos”, disse a BCBA.

Em seu relatório semanal de cultivos, a bolsa explicou que as baixas temperaturas podem ter causado “danos irreversíveis aos cultivos mais desenvolvidos”.

Por outro lado, no sul da província de Buenos Aires --uma importante área de produção de trigo--, o dano provocado pelas geadas foi leve, pois, diferentemente da região central argentina, lá os níveis de umidade são bons, segundo o relatório.

A Argentina é uma importante exportadora global de trigo, tendo produzido 18,8 milhões de toneladas do cereal na safra 2019/20, de acordo com dados da BCBA.

Reportagem de Maximilian Heath

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up