for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Rendimento do trigo pode cair até 50% em partes da Argentina, diz bolsa

Área de cultivo de trigo em Azul, Argentina 30/09/2019 REUTERS/Agustin Marcarian

BUENOS AIRES (Reuters) - As produtividades do trigo 2020/21 na Argentina poderão recuar até 50% no norte e em partes da região central do país por causa de uma prolongada falta de chuvas, das geadas e da presença de pragas, disse nesta quinta-feira a Bolsa de Cereais de Buenos Aires (BCBA).

Desde maio, grandes áreas agrícolas da Argentina registraram precipitações muito abaixo das habituais. Segundo a bolsa, foram plantados 6,5 milhões de hectares com trigo na atual temporada, ante 6,8 milhões de hectares previstos no início do ciclo, devido ao clima adverso.

“As estimativas de perdas potenciais variam entre -20% e -50% em setores do NOA, NOE (noroeste e nordeste argentinos) e (na província de) Córdoba, sem descartar a possibilidade de abandono de áreas”, disse a BCBA em seu relatório semanal de cultivos.

Juntos, o norte argentino e Córdoba representam 25,6% de toda a área semeada com trigo na atual temporada, segundo dados da bolsa.

Por outro lado, no sul da província de Buenos Aires --o “coração” do trigo na Argentina-- “as chuvas registradas nesta semana permitem a recuperação do cultivo e dão lugar aos trabalhos de refertilização”, disse a entidade.

A Argentina é uma grande fornecedora global de trigo, tendo produzido 18,8 milhões de toneladas do cereal em 6,6 milhões de hectares na temporada 2019/20, de acordo com a BCBA.

Reportagem de Maximilian Heath

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up