for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Fitch vê preço maior no minério de ferro, cita produção da Vale e oferta apertada

SÃO PAULO (Reuters) - A agência de classificação de risco Fitch Ratings elevou projeções para o preço do minério de ferro neste e nos próximos anos, citando aperto na oferta do material devido principalmente à expectativa de menor produção da brasileira Vale.

Área de mineração da Vale em Parauapebas (PA) 29/05/2012 REUTERS/Lunae Parracho

A Fitch estimou que os preços do minério de ferro com teor de 62% na China devem ficar em média de 95 dólares por tonelada em 2020, contra previsão anterior de 75 dólares, segundo nota a clientes nesta sexta-feira.

Para 2021, o preço esperado foi elevado para 75 dólares, de 60 dólares antes, enquanto em 2022 a previsão foi para 70 dólares, de 60 dólares anteriormente.

“Nós aumentamos todas nossas premissas sobre preços do minério de ferro devido ao contínuo aperto na oferta. A Vale precisaria elevar sua produção de forma marcante entre 2020 e 2022 para que o mercado fique equilibrado ou com excesso de oferta”, escreveram os analistas da Fitch.

A mineradora brasileira teve a capacidade reduzida após o rompimento de uma barragem em Brumadinho (MG) em janeiro passado, um desastre que deixou centenas de mortos e disparou diversas avaliações sobre segurança em outras unidades da empresa, com efeitos significativos sobre a produção.

“Nenhuma outra mineradora tem um impacto comparável no equilíbrio do mercado e todas elas têm tentado fortemente entregar volumes adicionais e se beneficiar do ambiente de preços. Ainda assim, elas não têm sido capazes de substituir as 80 milhões de toneladas que a Vale perdeu (em produção) depois do desastre de 2019”, acrescentaram.

Executivos da Vale afirmaram em teleconferência de resultados no final de julho que a empresa tem “um plano claro” para retomar sua capacidade de produção e alcançar um nível de 400 milhões de toneladas em 2022.

A mineradora tem meta de produzir entre 310 milhões e 330 milhões de toneladas de minério de ferro em 2020, mas mesmo essa marca tem sido colocada em dúvida por alguns analistas, que disseram no mês passado que a companhia precisaria produzir a um ritmo bastante forte e sem interrupções para cumprir o objetivo.

Os preços do minério de ferro têm se mantido resilientes neste ano devido à sólida demanda na China, que se recuperou mais rapidamente que outros países de impactos da pandemia de coronavírus.

As cotações da commodity estão acima de 120 dólares, e o contrato mais ativo na bolsa de Dalian acumula alta de mais de 40% no ano. As cotações também têm tido suporte de preocupações por possíveis impactos do coronavírus sobre operações da Vale desde que o Brasil tornou-se o segundo país do mundo em casos da doença, atrás apenas dos Estados Unidos.

A Fitch Ratings também elevou a previsão de preços de longo prazo para o metal usado na fabricação do aço, para 60 dólares, contra 55 dólares antes, enquanto manteve estáveis apenas as projeções para 2023, em 60 dólares.

As mineradoras australianas Rio Tinto e Fortescue, que competem com a Vale pelo mercado chinês, tiveram os resultados impactados positivamente pelos preços elevados da commodity neste ano.

A Rio Tinto superou expectativas de analistas, enquanto a Fortescue teve ganhos recordes no ano financeiro encerrado em junho.

As duas australianas têm registrado embarques recordes de minério de ferro em 2020, assim como a anglo-australiana BHP, com as vendas destinadas principalmente à China.

Por Luciano Costa

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up