for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Dados da balança comercial alemã em julho sugerem recuperação lenta

Feira de motorhomes e acampamento em Dusseldorf, Alemanha. REUTERS/Thilo Schmuelgen

BERLIM (Reuters) - As exportações alemãs continuaram muito abaixo dos níveis pré-crise em julho, apesar de um aumento de 4,7% no mês, mostraram dados publicados nesta terça-feira, somando-se aos sinais de que a recuperação econômica da Alemanha após o coronavírus será lenta.

As importações aumentaram apenas 1,1% no mês, levando o superávit comercial ajustado sazonalmente a 18 bilhões de euros, disse o Escritório Federal de Estatísticas.

Economistas esperam que a maior economia da Europa volte a crescer no terceiro trimestre ajudada por níveis maiores de atividade doméstica e em alguns dos principais parceiros comerciais da Alemanha após as quarentenas terem sido revogadas em abril.

Mas a demanda fraca de grandes economias que ainda estão lidando com a pandemia, como os Estados Unidos, está impedindo uma recuperação mais forte.

Os dados mostraram que as exportações para os Estados Unidos foram 17% menores em julho na comparação com o mesmo período do ano anterior. No entanto, as exportações para a China, que está vivendo uma recuperação mais acentuada que os Estados Unidos, foram apenas 0,1% menores.

“Embora os números de hoje sejam boas notícias para nossa estimativa de crescimento do PIB.... (no segundo semestre do ano) e sugiram que o setor exportador está florescendo novamente, não devemos nos deixar levar por estes números”, disse Carsten Brzeski, economista-chefe para a zona do euro do ING.

“Eles ainda são parte de uma recuperação mecânica. Na verdade, o setor exportador alemão ainda está sofrendo com desafios estruturais, incluindo tensões comerciais, Brexit e interrupções na cadeia global de suprimentos, assim como dificuldades que seus principais parceiros econômicos estão enfrentando para lidar com o vírus”.

A economia alemã sofreu uma queda recorde de 9,7% no segundo trimestre devido ao colapso no consumo das famílias, investimentos das empresas e comércio no auge da pandemia de Covid-19. Em julho, as exportações ainda estavam 12% abaixo dos níveis de fevereiro.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up